WTCC: Independência não é morte no WTCC

Times particulares disputam também uma competição específica.

Campeonato Mundial de Carros de Turismo da FIA, que abre domingo no Autódromo Internacional de Curitiba o seu quarto ano de existência, não vive apenas das equipes oficiais apoiadas por montadoras gigantescas como BMW, Chevrolet e SEAT. Como em outras categorias de peso, recebe também times independentes, alimentados por investimentos particulares. Realidades orçamentárias diversas geram alguns subprodutos, como a discrepância de performance observada nas pistas. O sacrifício dos “pequenos” é compensado com o Troféu Yokohama de Independentes, torneio paralelo sem a adesão das grandes marcas. O atual campeão é o italiano Stefano D’Aste, recém-contratado pela Proteam Motorsport, vencedora entre os “nanicos” no ano passado.


Alessandro Mattei, chefe de equipe da Proteam Motorsport, que corre com os BMW 320si, explica que a maior disparidade entre uma equipe particular e a oficial é mesmo o orçamento. Mas, como é de uso e costume no meio automobilístico, não informa valores. “O que posso dizer é que essa diferença é grande. Na prática, isso significa que eles podem fazer mais testes e, assim, atingir maior desenvolvimento técnico. Mas as equipes oficiais nos passam essas informações, o que ajuda muito”, ressalva.


Dois campeonatos disputados ao mesmo tempo criam resultados curiosos. Mesmo campeão pela equipe Wiechers-Sport (BMW 320si) em 2007, Stefano D’Aste não marcou sequer um ponto na série principal – dado que só confirma o esmagador predomínio das griffes. Enquanto isso, o também italiano e vice-campeão, Luca Rangoni, fechou o WTCC em 14° lugar, com 15 pontos. Com um BMW 320si da Proteam Motorsport, Rangoni ficou inclusive uma posição à frente de uma das estrelas do campeonato, seu compatriota Alessandro Zanardi, da BMW Team Italy-Spain, uma das oficiais da brigada alemã.


Para Mattei, o menor poderio econômico não impede que os “primos pobres” incomodem os favoritos. “É como em qualquer corrida de carros. Se tomarmos as decisões certas, com certeza podemos batê-los”, assegura. Porém, Mattei não esconde que o mais importante para sua equipe é defender o título da temporada passada. “Nosso principal objetivo é o troféu entre as independentes. Mas é claro que a série principal nunca está fora dos planos”, finaliza.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *