Arrancada: Alejandro Sanchez pede melhorias em Curitiba para a segunda etapa do Paranaense

Dragsteres têm performance e segurança comprometida com a falta de aderência da pista.

A segunda etapa do Campeonato Paranaense de Arrancada, que será realizada nos dias 28 e 29 de abril no Autódromo de Curitiba, em Pinhais (PR), pode ter uma participação abreviada de um dos mais renomados competidores deste esporte. Alejandro Sanchez, o piloto mais rápido no Brasil, continua aguardando melhorias na reta de 402 metros desde que teve problemas na primeira rodada da competição, e só está disposto a competir caso a organização do certame atenda as necessidades dos Dragsteres, os mais potentes veículos da competição. “Não faz sentido correr sem a aderência do VHT na pista. Se ela estiver como da vez passada, apenas cumpriremos tabela e deixaremos o autódromo”, declarou o piloto da Power Plus/Flash Power.

Projetados no exterior unicamente para a Arrancada, o Dragster é o símbolo deste esporte que faz sucesso no mundo todo. Com os mais potentes motores, menores tempos de percurso e maiores velocidades finais, estes bólidos necessitam também de bastante aderência na pista para que toda esta força se transforme em resultados. A solução adotada também nos outros países é a ação conjunta com um produto aplicado no solo, o VHT, que em contato com os pneus acaba otimizando a tração para a arrancada. “O objetivo de cada um é baixar seu tempo e melhorar os recordes. Como os recordes dos Dragsteres foram feitos quando a reta estava provida do VHT, seria um esforço inútil tentar baixar as marcas sem ele. Sem contar os gastos, já que o equipamento se deterioraria a troco de nada”, avaliou o atual tetra-campeão Paranaense.

Outro aspecto muito importante a ser observado por Alejandro é o da segurança, uma vez que a falta de aderência e tração de um veículo pode comprometer a integridade de um participante e de mais pessoas. “O VHT é, antes de qualquer coisa, um item de segurança. Os pilotos de Dragster se submetem a altíssimas velocidades, e qualquer perda de aderência na pista pode causar um sério acidente, um desastre de grande proporção”, alertou o recordista de velocidade final, com 384,51 km/h.

Alejandro Sanchez detém ainda o recorde brasileiro no “quilômetro lançado” do conceituado Festival de Velocidade, realizado em São José dos Campos (SP), quando alcançou a média 310,66 km/h em duas passagens com um Porsche 993 biturbo de 3.8 litros. Além dos recordes de Arrancada de Santa Cruz do Sul (301,5 metros) e Interlagos (201 metros), com o seu Dragster Top Alcohol, atestando o título de piloto mais rápido em terras brasileiras.

A equipe Power Plus conta com o patrocínio Flash Power e apoios de Shutt, Track Racing.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *