Brasileiro de Endurance: Paranaenses correm as “3 Horas de Londrina”

Com organização do Automóvel Clube Londrina, será realiza nos dias 16 e 17 de agosto, a terceira etapa do Campeonato Brasileiro de Endurance 2008, com a prova denominada “3 Horas de Londrina”, no Autódromo Internacional Ayrton Senna, no Norte do Estado. O Paraná estará representado na Categoria III pelas duplas Jair Bana/Duda Bana, Rodrigo Gonçalves/Maurício Amaral e Fabrício Colla/Cassiano Colla.

A Categoria I é reservada para os protótipos FIA até 2.000 cc, protótipos nacionais com turbo compressor, GT FIA e Turismo acima de 2.000 cc com turbo compressor. Na Categoria II correm os Turismo Força Livre e pick-ups acima de 2.001 cc, além de Turismo até 2.000 cc com turbo compressor. Já a Categoria III é para os protótipos nacionais até 2.000 cc. E a Categoria IV, para motores até 2.000 cc, é outro reduto para carros nacionais e pick-ups.   


– Categoria III –


Mesmo depois dos problemas com a bobina e freios durante a segunda etapa, a dupla curitibana Jair Bana/Duda Bana (Pirelli/Baterias Moura/Bana Pneus) figura favoritas à vitória em Londrina, na Categoria III com seu protótipo Predador, um dos mais rápidos em sua categoria atualmente no Brasil, que conta com preparação da Equipe Billy Motorsport. O protótipo, com motor Opel 2.0 16v, 270 cv de potência, duplo comando de válvulas e chassi de molibdênio, utilizando gasolina Avigás. “Os problemas técnicos também fazem parte das corridas. Mas tivemos um bom tempo para revisar totalmente nosso carro e deixá-lo em condições de brigar pela vitória em Londrina. Vamos em busca do primeiro lugar na Categoria III e se der tudo certo na Geral também”, declarou Jair Bana (Master Turbo).


Ocupando o segundo lugar na Categoria III do Brasileiro de Endurance, os curitibanos Rodrigo Gonçalves e Maurício Amaral (Academia Gustavo Borges/Rede Contorno Sul/Essa Motors), querem manter a regularidade. A dupla corre com um protótipo Spyder, equipado com motor VW-2.0, 8 válvulas, com fluxo cruzado, movido a álcool, que desenvolve 223 cv de potência, freios Wilwood e a partir desta etapa, com câmbio Hewland. “Vamos manter nossa estratégia de corrida com três paradas. A pista de Londrina é muito seletiva e tem poucos pontos de ultrapassagem. A prova é de longa duração e com a estréia do novo câmbio, acredito que poderemos brigar pelas primeiras posições em nossa categoria e trazer mais um troféu de Londrina”, concluiu Rodrigo Gonçalves.


 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *