ChampCar: Depois de final de semana difícil, Junqueira quer acelerar em Cleveland

Nas três últimas participações nesta pista, dois segundos e um terceiro lugar. Poderia ser o suficiente para que o mineiro Bruno Junqueira (Telemont/Brasil Telecomunicações) chegasse à quinta etapa da F-Mundial confiante em um bom resultado.


Mas, não é apenas isso: pilotos e equipes da categoria voltam, no domingo, a um dos circuitos mais interessantes da temporada. Desenhados nas pistas de pouso e decolagem do Burke Lakefront Airport, os 3.388m do circuito provisório de Cleveland representam um desafio diferente para a categoria. Além da largura do traçado, que permite várias trajetórias alternativas e favorece as tentativas de ultrapassagem, outra preocupação é a falta de referências ao longo de cada volta. Os cones colocados pela organização para solucionar o problema não costumam ficar muito tempo no lugar. Além disso, a cidade de Ohio, recentemente consagrada vice-campeã da NBA e sede do Hall da Fama do rock, possui uma atmosfera única.

Para Junqueira, sexto colocado no campeonato, com 61 pontos, Cleveland é a chance de retomar o bom desempenho mostrado nas três primeiras provas do ano, que não se repetiu em Portland, há duas semanas. Na ocasião, o mineiro da equipe Dale Coyne teve dificuldades para encontrar o acerto ideal e, sem contar com a comunicação de rádio e a telemetria, foi obrigado a acelerar praticamente às cegas, o que o impediu de adotar uma estratégia mais agressiva, recebendo a bandeirada em 13º. Certo de que tudo não passou de um episódio isolado, Bruno está com otimismo redobrado depois de um dia de testes extra-oficiais em Road America. Mesmo completando menos de 50 milhas – pelo regulamento, a partir dessa distância o time perde um dos dias da cota de treinos prevista pelo regulamento, ele ficou com a sexta melhor marca (1min03seg70).

“Tivemos um forte comeco de temporada, mas depois de um longo intervalo entre as três primeiras etapas e a quarta, em portland, meio que perdemos o ritmo, principalmente porque ao contrario da maioria das equipes, não treinamos no intervalo de cinco semanas daquele periodo. Mas agora estamos novamente ritmados e prontos para essa jornada, que prevê sete corridas em nove finais de semana”, explica o único representante brasileiro na F-Mundial.

Bruno bateu na trave duas vezes em Cleveland. No ano passado, liderou a prova, marcada pelo acidente entre Paul Tracy e Sebastien Bourdais na largada, mas acabou superado pelo norte-americano A.J.Allmendinger, atualmente na Nascar. Em 2004, quando a prova foi disputada à noite, com luz artificial, ele foi segundo e, em 2003, recebeu a bandeirada em terceiro. Se a pista não sofreu qualquer mudança, a decisão da Champcar, organizadora da categoria, de manter a largada com os carros parados é apontada como remédio para os problemas que marcam a tomada da primeira curva. Com uma freada forte e um ângulo acentuado, o ponto costuma dar fim às esperanças de vários favoritos, já nos primeiros metros de prova.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *