Copa Montana: Na inauguração do Velopark, Jimenez busca superar problemas de Curitiba

Falta de potência do motor prejudicou piloto na tomada classificatória da primeira etapa. Neste final de semana, piloto da Scuderia 111 luta para retomar terreno.

Corridas em circuitos novos sempre são cercadas de expectativa pelo público, e principalmente, por pilotos e equipes. E para este final de semana, na inauguração do Velopark, em Nova Santa Rita, cidade localizada a cerca de 30 quilômetros de Porto Alegre (RS), não é diferente. E Sérgio Jimenez (GFS Software), piloto da Scuderia 111 na Copa Chevrolet Montana, se pauta em três princípios para uma boa corrida no novo autódromo gaúcho: um bom motor para as longas retas do traçado, um carro equilibrado nas fortes freadas, e na torcida para que não chova durante a prova.

“Estive no Velopark na semana passada e já pude perceber que se chover, vai ser complicado”, disse o paulista. “Formam-se muitas poças, e isso com certeza será ruim para a corrida. Pode ser um problema”, apontou Jimenez, que na etapa de abertura da Copa Chevrolet Montana no último dia 11 em Curitiba sofreu durante os treinos com a falta de potência do propulsor de seu carro, o que o relegou à 15ª colocação na largada. Demonstrando poder de recuperação, na corrida o piloto cruzou a linha de chegada em oitavo lugar.

“Os motores são sorteados, e havia um problema com o nosso, o que depois acabou sendo comprovado quando a empresa fornecedora fez um teste no dinamômetro, que mostrou uma falta de potência na ordem de dez cavalos. E isso fez muita diferença”, lembrou Jimenez, que entra na pista já hoje, em um treino extra de 45 minutos de duração. “Vai servir para sentir mesmo o carro neste novo traçado, e também para já ter algum parâmetro para encontrar o acerto”, disse.

Sobre o traçado de 2.192 metros e oito curvas, o piloto da Scuderia 111 destacou não tratar-se de um circuito difícil. “É uma pista tranquila para o piloto, não oferece nenhum desafio em termos de pilotagem. O importante é acertar nas freadas que há depois das retas, que são longas, seguidas de ‘cotovelos’ (curvas fechadas). O negócio é ganhar em eficiência nos pontos de frenagem e contar com uma boa tração para sair das curvas com potência. O circuito é curto, o que é bom para o público que vê a corrida”, apontou.

“A reta principal é bem longa, tem 900 metros de extensão. Então temos que trabalhar um carro rápido neste setor, mas também para que ele seja firme nas frenagens. Espero que tenhamos melhorado de Curitiba para cá nesta questão do motor, porque o carro era bem equilibrado. Com um bom acerto básico, nosso objetivo é estar sempre entre os cinco primeiros”, afirmou.

A segunda etapa da Copa Chevrolet Montana, com largada às 13 horas deste domingo (2), terá transmissão ao vivo pela RedeTV!, pelo Speed Channel e via internet pela RaceTV (www.racetv.com.br).

Programação (horário de Brasília):

QUINTA-FEIRA (29/04)
14h00 – 15h30: Treino Extra (2 grupos de 45 minutos cada)

SEXTA-FEIRA (30/04)
09h00 – 10h35: 1º Treino Livre (2 grupos de 45 minutos cada)
13h30 – 15h05: 2º Treino Livre (2 grupos de 45 minutos cada)

SÁBADO (01/05)
10h05 – 10h35: 3º Treino Livre
13h10 – 14h10: Treino Classificatório

DOMINGO (02/05)
13h00: Largada – 2ª etapa Copa Chevrolet Montana

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *