Dakar: Etapa cancelada alivia as dificuldades da maior prova do mundo

Paulo Pichini e Lourival Roldan superam as dunas do Atacama, concluem mais uma etapa e, neste momento, seguem em deslocamento de Copiapo, no Chile, para Fiambalá, na Argentina.

O Dakar viveu ontem seu principal obstáculo, o Atacama. Um deserto temido e aguardado, que proporcionou um trecho rápido, duro e muito seletivo; como já era esperado por todos. A especial de 470 km aconteceu em forma de laço, com largada e chegada em Copiapo, Chile.
 
“Ontem foi o dia que mais vezes senti de perto os perigos da velocidade. Alguns trechos eram bem rápidos, e aí de repente, surgia uma vala na pista e o carro saia literalmente quicando, assustador, mas muito prazeroso. Quase capotamos várias vezes. As dunas daqui são sensacionais; altíssimas, elas pedem velocidade para serem vencidas. Por vezes fizemos alguns vôos cegos e saímos ilesos, outros competidores não, passamos por carros e um caminhão capotados. Atolamos varias vezes, assim como praticamente todos os competidores. Nada ontem foi tranqüilo, mas terrível mesmo, foi ter que fazer os últimos quatro quilômetros de dunas no escuro e acelerando”, conta Pichini.
 
O Deserto do Atacama e suas características marcantes foram aprovadas pelos competidores, mesmo com o atraso da largada de ontem em função das condições climáticas a prova transcorreu como era esperada. Durante toda a madrugada, pilotos e navegadores que enfrentaram problemas mecânicos puderam ser resgatados e chegavam ao acampamento base da prova em Copiapo.

Para hoje, a 11ª etapa foi cancelada devido à piora nas condições do tempo, a organização optou por deslocar todos os concorrentes direto para Fiambala, já na Argentina.
 
“Estou muito feliz por não ter tido nenhuma quebra, nenhum problema que me deixasse parado naquele deserto. Quente demais, realmente inóspito, repleto de armadilhas, ele faz jus a sua fama. Acredito que o cancelamento do dia facilitará a vida de todos, principalmente daqueles que tiveram problemas ontem. Desta forma, o comboio poderá ser reagrupado o que ajudará a conter mais abandonos”, comenta ainda Paulo Pichini.
 
Até a manhã de ontem, a organização divulgava que dos 530 competidores que largaram de Buenos Aires, 312 continuavam na prova. O número de abandonos já atingia pouco mais de 40% dos seus participantes e até a meia noite de ontem, parte deles ainda se encontravam dentro do trecho.
No roteiro original, este deveria ser o terceiro dia de Atacama, que manteria o grau de dificuldade encontrado na região e seria ainda válido como primeira parte da etapa maratona, quando os competidores não podem receber apoio mecânico.

Mesmo com o dia de hoje acontecendo em deslocamento, à maratona foi mantida, o que significa que as equipes de apoio não seguiram com os competidores para Fiambalá, mas foram direto para La Rioja, Argentina, onde aguardam a chegada da especial de amanhã.
 
Paulo Pichini e Lourival Roldan tem o patrocínio de Getronics e Cisco. O apoio é da IT Mídia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *