F-BMW: Mario Haberfeld oferece apóio aos jovens pilotos brasileiros

Piloto espera trabalhar com um brasileiro na equipe que montou na Fórmula BMW Norte-Americana.



A idéia de equipes brasileiras competindo nas categorias de base do exterior, que antes não passava de um sonho, aos poucos vai saindo do papel. Seja pela resistência dos chefes de equipes estrangeiras, seja pela barreira da língua e da cultura, seja pela dificuldade de reunir as quantias exigidas pelos donos dos melhores times, sempre há obstáculos no caminho de quem deseja fazer uma carreira internacional. Problemas que o piloto Mario Haberfeld, que enfrentou as mesmas complexidades em seus dez anos de atividade fora do país, espera solucionar com o projeto apresentado nesta quinta-feira (9), em São Paulo.


 


Ele é sócio da equipe Haberfeld & Walker Racing da Fórmula BMW Norte-Americana desde início do ano e a partir de agora quer utilizar a própria experiência para abrir caminho para os mais jovens. “Aprendi muito com os chefes de equipe que trabalhei, como Jackie Stewart, Ron Dennis e Derrick Walker. Além deste conhecimento, tenho o diferencial de ser um piloto em atividade, sei exatamente o que os meninos precisam para crescer na carreira. Algo que demoraria uns dois anos para aprender sozinho, é possível aprender em meia hora com uma boa conversa”, afirmou Mario Haberfeld.


 


O time na Fórmula BMW Norte-Americana não só abre um espaço importante para os pilotos brasileiros como adianta um pouco do futuro de Mario Haberfeld, atualmente competindo na Grand Am. “Uma vez o Derrick Walker me perguntou o que eu gostaria de fazer ao encerrar a carreira e eu disse que planejava montar uma equipe. Como ele tinha o objetivo de contar com carros em todas as categorias de monoposto dos Estados Unidos, para formar pilotos, sugeriu uma sociedade na Fórmula BMW Norte-Americana e eu aceitei”, revelou o ex-piloto de testes da McLaren na Fórmula 1.


 


A promotora da categoria, Michelle Henn, veio ao Brasil para a apresentação da equipe e  falou um pouco sobre o campeonato escolhido por Mario Haberfeld para sua estréia como chefe de equipe. “Os quatro torneios da Fórmula BMW disputados em todo o mundo (Estados Unidos, Inglaterra, Alemanha e Ásia) oferecem uma série de benefícios para o piloto que está em início de carreira. É uma categoria monomarca, muito equilibrada, que faz pelo menos cinco corridas preliminares da Fórmula 1 ao longo do ano no mundo todo”, comentou Michelle Henn, visitando o país pela primeira vez.


 


Ela elogiou a iniciativa de Mario Haberfeld e lembrou que todos os anos a Fórmula BMW coloca em jogo um teste com o carro de Fórmula 1 da equipe BMW Sauber. “Os melhores pilotos de cada campeonato se reúnem no fim do ano para uma final especial e o vencedor é premiado com um dia de treinos na Fórmula 1”, contou. O piloto Mario Haberfeld volta para os Estados Unidos nesta sexta-feira (10), deixando no Brasil o coordenador de projetos da equipe, Paulo Carcasci. É ele quem fará os primeiros contatos com os pilotos brasileiros, principalmente por passar muito tempo no país e acompanhar as corridas bem de perto.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *