F1: Briatore parte para o lado pessoal e insinua caso homossexual de Nelsinho

Após a denúncia à FIA em que o piloto admite ter aceitado ordens para bater deliberadamente a fim de beneficiar Fernando Alonso, Briatore confirmou o processo contra a família Piquet e afirmou que a equipe não fez nada de errado naquela corrida. E, falando sobre o lado pessoal de Nelsinho, o chefe da Renault chamou o brasileiro de “frágil” e “mimado”, e ainda insinuou um suposto caso homossexual do ex-pupilo.

“Ele me acusou de ter rompido uma relação com um amigo. Quem me pediu isso foi seu pai. Nelsinho vivia com este senhor. Não se sabe que tipo de relação eles tinham. O pai estava preocupado com a relação que seu filho tinha com este homem”, revelou Briatore.

“Fiz com que ele se mudasse de Oxford a Londres, para o prédio onde eu moro, para mantê-lo sob controle”, completou o cartola em uma das conversas que teve com jornalistas em Monza.

O Piquet pai todos conhecem, degradou a imagem de todo mundo, a começar pelo Senna, a mulher do Mansell e tantos outros.

As declarações polêmicas de Briatore sobre a vida pessoal de Nelsinho foram divulgadas pela rádio Jovem Pan, que participou de uma das entrevistas. Já o Tazio apurou que este homem seria Marc, um inglês que apoiava Nelsinho desde a época da F-3 e era uma espécie de “pai britânico” do piloto, e portanto não haveria nenhuma suspeita de cunho sexual.

Além do suposto caso de Nelsinho com esse homem mais velho, o dirigente fez outros ataques: “Acho que o Nelsinho é um garoto muito mimado, que sempre correu com seu time. Seu pai dava os melhores carros para ele e, quando chegou uma competição de verdade, ele perdeu a cabeça”, afirmou Briatore, dizendo que seu único problema com o brasileiro seria a “falta de performance” nas pistas.

Quando um repórter perguntou por que Piquet bateu deliberadamente em Cingapura, Nelsinho respondeu: “Nelsinho bateu umas 17 vezes”. O dirigente disse ainda que só ficou com Nelsinho em 2009 “porque não havia mais ninguém”. Veja a seguir outros trechos marcantes da entrevista.

Fama de Piquet
“O Piquet pai todos conhecem, degradou a imagem de todo mundo, a começar pelo Senna, a mulher do Mansell e tantos outros”.

Responsabilidade
“Se eu disser para você assaltar um banco, depois você vai decidir se vai roubar ou não. Não sinto que eu tenha alguma responsabilidade, e nós achamos que não fizemos nada de errado”.

GP de Cingapura
“O Fernando [Alonso] só venceu porque Massa teve um problema, e Kubica teve um problema. Houve uns seis ou sete problemas”.

Contrato de Nelsinho
“Em 2008, Nelson ganhava US$ 1,5 milhão por ano. Eu renovei o contrato com US$ 1 milhão. E coloquei uma cláusula dizendo que se ele não tivesse uma boa performance, ele estaria fora no GP da Alemanha. Se ele tivesse me feito algum favor, não seria assim”.

Investigações
“Se a Renault decidiu abrir uma ação criminal com os Piquets, isso para mim é o bastante. Se nós fizemos isso, é porque temos confiança. Cerca de 80% de confiança”.

Imprensa

“Estou muito descontente que certas notícias reservadas vazaram na imprensa e causaram um dano enorme à Renault. Não sou só eu e os pilotos, são 500 ou 600 pessoas que trabalham na Renault.

Fonte: Uol

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *