F1: Com Rubens Barrichello, Brasil vence pela 100ª vez

Rubens Barrichello, da BrawnGP, conquistou neste domingo (23/08), a 100ª vitória do Brasil na F-1, no GP da Europa, disputado nas ruas de Valência, na Espanha, 11ª etapa da temporada. Foi a 10ª vitória de Barrichello na F-1, a primeira desde o GP da China de 2004, quando ainda era piloto da Ferrari.

Na largada o pole-position, o inglês Lewis Hamilton, da McLaren, manteve a ponta, seguido pelo parceiro de McLaren, o finlandês Heikki Kovalainen, ambos contando com o auxílio do KERS. Barrichello manteve a terceira posição do grid.  O finlandês Kimi Raikkonen, da Ferrari, ultrapassou o inglês Jenson Button, da BrawnGP, e o alemão Sebastian Vettel, da Red Bull, assumindo a 4ª posição. O líder da temporada perdeu mais duas posições, para o alemão Nico Rosberg, da Williams, e o espanhol Fernando Alonso, da Renault, caindo para a 8ª posição.

O suíço Sebastien Buemi, da Toro Rosso, e o alemão Timo Glock, da Toyota, se tocaram, com o outro Toyota, do italiano Jarno Trulli, ao superar o estreante Romain Grosjean, acertando o Renault do francês, que perdeu a asa dianteira. No final da volta Buemi, Grosjean e Glock foram para os pits.

Hamilton começou a abrir vantagem sobre Kovalainen, tendo seis segundos na 12ª volta. Barrichello vinha em 3º, seguido por Raikkonen, Vettel, Rosberg, Alonso, o australiano Mark Webber, da Red Bull, e Button.

Quatro voltas depois o inglês fez a sua primeira parada nos boxes, voltando em 6º. Kovalainen parou na seguinte, com Barrichello assumindo a liderança. Vettel, depois de ter problemas no reabastecimento, retornou aos boxes, caindo para 15º. Na 20ª volta Barrichello foi para os pits, retornando em 2º, a frente de Kovalainen.

Hamilton reassumiu a primeira posição, com três segundos sobre Barrichello. Pelo rádio, Hamilton reclamou com a equipe que a temperatura dos pneus traseiros estava alta. Com o motor soltando fumaça Vettel parou na pista na 25ª volta.

Com metade da prova disputada e todas as paradas feitas, Hamilton liderava, seguido por Barrichello, Kovalainen, Raikkonen, Rosberg, Alonso, Webber e Button.

Na 33ª volta o italiano Luca Badoer, substituto do brasileiro Felipe Massa na Ferrari, cumpriu um drive-through, por ter passado por cima da linha amarela na saída dos pits, após perder a 16ª posição para o estreante Grosjean dentro dos boxes.

Na 37ª volta Hamilton antecipou a sua segunda parada em quatro voltas, pegando os mecânicos de sua equipe de surpresa. Quando o inglês entrou nos pits os mecânicos ainda não tinham colocado todos os pneus na posição correta. Os longos 13s4 parados nos boxes tiraram a segunda vitória consecutiva de Hamilton. Seu parceiro entrou na volta seguinte.

Com o pneu traseiro direito estourado, o japonês Kazuki Nakajima se arrastou até os boxes, com a equipe trocando o pneu de sua Williams. Com medo da entrada do Safety-Car, que beneficiaria Hamilton, a BrawnGP antecipou a segunda parada de Barrichello.

Antes de parar o brasileiro acelerou o que pode, marcando sucessivas voltas rápidas, até entrar nos boxes na 39ª volta, retornando na liderança, a frente de Hamilton.  Raikkonen entrou junto com Barrichello, também ganhando a posição de Kovalainen. Na 44ª volta Buemi, com problemas nos freios, rodou, abandonando.

Na 49ª volta Glock fez a sua terceira parada nos boxes. Faltando duas voltas para o final o alemão marcou a volta mais rápida da prova, a sua primeira na categoria.

Com todas as paradas feitas, Barrichello, com pneus macios, tinha seis segundos de vantagem sobre Hamilton, que usava pneus duros. Raikkonen era 3º, seguido por Kovalainen, Rosberg, Alonso, Button e o polonês Robert Kubica, da BMW Sauber, que ganhou a posição de Webber. As posições permaneceram as mesmas até o final.

No pódio Barrichello comemorou emocionado o fim de um jejum de cinco anos (81 GPs), sem subir no degrau mais alto.

“Foi fantástico, nunca vou me esquecer deste final de semana porque, mesmo depois de cinco anos, você não esquece como se faz”, disse Barrichello.

Button somou dois pontos, e lidera o campeonato com 72. Barrichello reassumiu a vice-liderança, com 54. Saindo zerados da prova, a dupla da Red Bull, Webber e Vettel, mantiveram os 51,5 e 47 pontos, respectivamente.  

A próxima etapa acontece no domingo (30/08), o GP da Bélgica, em Spa-Francorchamps.

Final:


1. Rubens Barrichello BRA Brawn-Mercedes 57 voltas em 1h35m51s289

2. Lewis Hamilton GBR McLaren-Mercedes a 2s358
3. Kimi Raikkonen FIN Ferrari a 15s994
4. Heikki Kovalainen FIN McLaren-Mercedes a 20s032
5. Nico Rosberg ALE Williams-Toyota  a 20s870
6. Fernando Alonso ESP Renault a 27s744
7. Jenson Button GBR Brawn-Mercedes a 34s913
8. Robert Kubica POL BMW Sauber a 36s667
9. Mark Webber AUS Red Bull-Renault a 44s910
10. Adrian Sutil ALE Force India-Mercedes a 47s935
11. Nick Heidfeld ALE BMW Sauber a 48s822
12. Giancarlo Fisichella ITA Force India-Mercedes a 1m03s614
13. Jarno Trulli ITA Toyota a 1m04s527
14. Timo Glock ALE Toyota a 1m26.519
15. Romain Grosjean FRA Renault a 1m31s774
16. Jaime Alguersuari ESP Toro Rosso-Ferrari a 1 volta
17. Luca Badoer ITA Ferrari   a 1 volta
18. Kazuki Nakajima JAP Williams-Toyota a 3 voltas

Abandonos:

Sebastien Buemi SUI Toro Rosso-Ferrari 41 voltas freios
Sebastian Vettel ALE Red Bull-Renault 23 voltas motor

Volta mais rápida:

Timo Glock ALE Toyota 1m38s683 na 55ª volta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *