F1: Debaixo de chuva Sebastian Vettel vence GP da China

O alemão Sebastian Vettel, da Red Bull, venceu neste domingo (19/04), o GP da China, em Shangai, terceira etapa da temporada. Foi a segunda vitória de Vettel , de 21 anos, na categoria e primeira da Red Bull. O australiano Mark Webber completou a dobradinha da equipe, com o líder do campeonato, o inglês Jenson Button, da Brawm GP, em 3º.

Uma forte chuva começou a cair antes da largada, com o alemão Timo Glock, da Toyota, e o polonês Robert Kubica, da BMW Sauber, que já largavam nas últimas posições, indo para os boxes, largando do pit lane. Todos os pilotos estavam calçados com pneus para chuva estrema.

A largada foi dada com o Safety-Car a frente dos carros, com Vettel liderando o pelotão. Mesmo andando lento e sem poderem fazer ultrapassagens, a prova já estava valendo, com o brasileiro Felipe Massa dando um passeio fora da pista com sua Ferrari, o alemão Adrian Sutil, da Force India, fazendo o mesmo e quase acertando a Renault do brasileiro Nelsinho Piquet. Sutil acabou indo para os boxes, trocando os pneus e reabastecendo.

Na segunda e 7ª posições, alemão Nico Rosberg, da Williams, na 6ª volta e o espanhol Fernando Alonso, da Renault, na seguinte, foram para os pits, trocando os pneus e colocando gasolina, caindo para as últimas posições. Na oitava volta o Safety-Car deixou a pista e a corrida começou para valer.

Vettel liderava, seguido por Webber, o brasileiro Rubens Barrichello, da Brawn GP, Button, o italiano Jarno Trulli, da Toyota e o finlandês Kimi Raikkonen, da Ferrari, que logo perdeu a posição para o inglês Lewis Hamilton, da McLaren. O campeão de 2007, pelo rádio, avisou a equipe que o motor não estava funcionando bem.

Com a chuva e a pista encharcada, as rodadas se sucediam. Na 11ª volta, o suíço Sebastian Buemi, da Toro Rosso passeou na grama, com Heidfeld fazendo o mesmo e Barrichello perdendo a terceira posição, ao sair da pista na última curva.    

Na 12ª volta, Hamilton, que havia superado Trulli, rodou, caindo para a 10ª posição. Raikkonen perde duas posições para Buemi e depois para seu parceiro Massa. Pouco depois Buemi passa Trulli, assumindo a quinta posição. Glock e o compatriota Nick Heidfeld, da BMW Sauber, se tocam na 14ª volta, com Heidfeld rodando.

Segundo colocado, Webber fez a sua primeira parada nos pits na 15ª volta, voltando em sexto. Na volta seguinte o líder Vettel parou na seguinte, voltando em 3º, com Button assumindo a liderança.

Lento na pista, Trulli começou a perder posições, caindo para 11º na 17ª volta. Uma volta depois, no final da reta principal, o polonês Robert Kubica, da BMW Sauber, acertou com força a traseira da Toyota de Trulli, destruindo a traseira do carro. Trulli levou o que sobrou da Toyota para os boxes, com Kubica parando para trocar o nariz da BMW Sauber. O Safety-Car foi novamente acionado. Buemi e Vettel se tocaram de leve na reta, com apenas o carro do suíço sofrendo um leve dano.

Os dois carros da Brawn, que lideravam a corrida, foram para os pits juntos na 20ª volta. Vettel era novamente líder, seguido por Button, Massa, Webber, Raikkonen, Hamilton e Barrichello.

Fazendo uma corrida que certamente o levaria ao pódio, Massa ficou parado no meio da pista, com problemas elétricos na 22ª volta. Com o abandono o vice-campeão de 2008 continua zerado no campeonato, tendo o seu pior início de temporada desde que chegou a Ferrari em 2006.

Na 23ª volta a prova recomeçou com Vettel na frente, seguido por Button. Hamilton foi para a 4ª posição, ao superar Raikkonen, com o finlandês Heikki Kovalainen, da McLaren, passando Barrichello para assumir o 6º lugar. Com a asa dianteira quebrada, Glock foi para os boxes colocar uma peça nova na 26ª volta.

Duas voltas depois Raikkonen fez o seu primeiro pit stop, com o japonês Kazuki Nakajima, da Willliams e Piquet rodando, mas voltando a disputa. Em sua rodada Nelsinho chegou a arrancar brita ao voltar para a pista.

Com todo mundo rodada, ou se envolvia em toques, na 29ª volta foi a vez de Button dar o seu passeio no Hairpin e Webber assumir a segunda posição.  Três voltas depois foi a vez de Webber escorregar, devolvendo a segunda posição ao vencedor das duas primeiras corridas do ano. Contudo o australiano foi a caça de Button, o repassando por fora na segunda curva.

Hamilton finalmente fez o seu primeiro pit stop, na 34ª volta, voltando em 8º. Na seguinte seu parceiro Kovalainen foi o ultimo piloto a ir aos boxes. Sem bico novamente, Kubica, num final de semana para esquecer, parou nos pits na 36ª volta.

Vettel fez a sua segunda parada na 38ª volta, deixando Webber em primeiro. Duas voltas depois Webber foi para os boxes, e Button assumiu a liderança. Alonso, que lutava para voltar as zona de pontuação, rodou, caindo para 13º.

A liderança de Button durou apenas uma volta, com Vettel reassumindo a ponta. Na 43ª volta Button foi novamente para os boxes. Barrichello parou na seguinte, mas apenas reabastecendo, mantendo os pneus.

Na 46ª volta Vettel liderava com 15s7 de vantagem sobre Webber. Button era 3º, seguido por Barrichello, Hamilton, Kovalainen e o surpreendente Sutil.

O atual campeão perdeu duas posições em duas voltas, para Kovalainen ao escorregar na 48ª volta e Sutil, com uma rodada na 50ª. Rosberg, que havia apostado ao colocar pneus intermediários na 41ª volta, retornou aos boxes, depois de rodar, colocando pneus de chuva.

Para decepção de Vijay Mallya, dono da Force India, Sutil rodou na 51ª volta, acertando a barreira de pneus, destruindo a frente do carro, quando era 6º colocado.

Vettel venceu pela segunda vez na categoria, com Webber completando a dobradinha da Red Bull. Button foi o 3º, com Barrichello em 4º. Kovalainen, depois de dois abandonos logo na primeira volta, terminou em 5º, a frente de Hamilton. Glock e Buemi completaram a zona de pontuação. Piquet foi o último a receber a bandeirada, na 16ª posição.

Depois de dar a Toro Rosso a sua primeira vitória na categoria, também na chuva e largando da pole-position na Itália no ano passado, Vettel se firma como uma das maiores estrelas da atual F-1, para alegria do magnata Dietrich Mateschitz, dono do império Red Bull.

O sucesso da equipe também se deve a genialidade do engenheiro Adrian Newey, responsável pelos projetos da Williams e McLaren e que dominaram os anos noventa na categoria. Na Red Bull desde 2006, Newey projetou um carro que se mostrou altamente competitivo, mesmo não tendo os badalados difusores duplos e o sistema de recuperação de energia cinética, o KERS.

Button lidera o campeonato com 21 pontos. Barrichello, o vice-líder tem 15, com Vettel em 3º, com os dez pontos somados na China.

A próxima etapa, GP do Bahrein, acontece no próximo domingo.

Final:

1. S. Vettel (ALE) Red Bull – 56 voltas
2. M. Webber (AUS) Red Bull – a 10s9
3. J. Button (GBR) Brawn GP – a 44s9
4. R. Barrichello (BRA) Brawn GP – a 1min03s7
5. H. Kovalainen (FIN) McLaren – a 1min05s1
6. L. Hamilton (GBR) McLaren – a 1min11s8
7. T. Glock (ALE) Toyota – a 1min14s4
8. S. Buemi (SUI) Toro Rosso – a 1min16s4
9. F. Alonso (ESP) Renault – a 1min24s3
10. K. Raikkonen (FIN) Ferrari – a 1min31s7
11. S. Bourdais (FRA) Toro Rosso – a 1min34s1
12. N. Heidfeld (ALE) BMW – a 1min35s8
13. R. Kubica (POL) BMW – a 1 volta
14. G. Fisichella (ITA) Force India – a 1 volta
15. N. Rosberg (ALE) Williams – a 1 volta
16. N. Piquet (BRA) Renault – a 2 voltas
17. A. Sutil (ALE) Force India – a 6 voltas (acidente)
18. K. Nakajima (JAP) Williams – a 13 voltas (abandono)
19. F. Massa (BRA) Ferrari – a 36 voltas (problema mecânico)
20. J. Trulli (ITA) Toyota – a 36 voltas (acidente)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *