F1: Disputa entre Hamilton e Rosberg abre espaço para rivais, alerta Wolff

Após sete corridas de domínio da Mercedes, Felipe Massa conseguiu a pole-position para o Grande Prêmio da Áustria e, com seu companheiro Valtteri Bottas em segundo, acabou com a hegemonia de Lewis Hamilton e Nico Rosberg na primeira fila. Vendo sua escuderia perder o posto pela primeira vez, Toto Wolff, chefe da Mercedes, alerta que a disputa acirrada entre seus dois pilotos pode estar abrindo espaço para as equipes rivais.

“Nossa primeira prioridade deve ser a de deixar os dois competir um contra o outro – nós não queremos interferir de fora e manipulá-los em uma ou outra direção. Porém, no treino classificatório o ambiente não era como nas corridas anteriores: vemos que está ficando muito competitivo, a transparência está sofrendo um pouco, e nós precisamos garantir que isso não é prejudicial para a equipe”, afirmou Wolff.

A preocupação do dirigente surgiu após ele ver Massa ficar com a pole, seguido por Bottas, enquanto Nico Rosberg ficou em terceiro e Lewis Hamilton, em nono. Na corrida, porém, os pilotos da Mercedes se recuperaram e garantiram a dobradinha nos lugares mais altos do pódio.

Fazendo sua análise sobre o que precisa ser melhorado na equipe, Wolff cita que é necessário manter a transparência.

“Nós só precisamos manter o mesmo nível de transparência. Está se tornando claramente muito competitivo, e quanto mais tempo passar a temporada mais competitiva ela vai ficar. Transparência é tudo sobre a troca de opiniões e aprender uns com os outros”, afirmou.

A preocupação principal do dirigente é garantir que os pilotos não escondam coisas um do outro pensando no benefício próprio, já que começaram a surgir boatos de que eles não estavam dando o melhor de si antes do Q3 para esconderem o real potencial dos carros.

“Eu não estou dizendo que isso aconteceu, nós simplesmente não queremos ver voltas perdidas quando precisamos aprender sobre o carro. O principal objetivo dos pilotos é vencer o Mundial de Pilotos; o nosso é vencer o Mundial de Construtores e tendo a certeza que um deles vencerá o Mundial, então talvez nós precisamos vencer o de Construtores para depois deixarmos eles livres”, concluiu.

Fonte: GazetaEsportiva.Net

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *