F1: Fisichella discute com Villeneuve

Giancarlo Fisichella, da Renault, acusou Jacques Villeneuve de arruinar suas esperanças para o GP da Europa, neste sábado, e solicitou aos comissários uma punição ao ex-campeão mundial.

“O comportamento dele é inaceitável”, declarou o italiano, ainda com raiva uma hora depois de ter passado por todo o box para reclamar com o canadense na garagem da BMW Sauber.

“Ele é um campeão mundial e foi pouco profissional”, acrescentou.

Enquanto ele falava com dentes rangentes com os repórteres em Nurburgring, as palavras inaceitável e pouco profissional apimentavam seu discurso. A raiva era palpável.

Fisichella estava furioso com Villeneuve por ele ter ficado na sua frente na segunda etapa do treino durante sua volta rápida, o que prejudicou seu tempo e fez com que ele não conseguisse se classificar entre os dez pilotos que disputariam a pole pela segunda vez consecutiva, depois de vencer na Malásia saindo da pole, em março, e largando em segundo na Austrália.

O italiano se classificou em 13o., mas largará da 11a. posição, já que os pilotos da Williams, que estavam à sua frente, perderam dez colocações no grid de largada, enquanto seu companheiro de equipe e campeão mundial, o espanhol Fernando Alonso, conquistou a pole.

Villeneuve, que venceu em Nurburgring em 1996 e 1997, disse que não sabia o motivo para tanta confusão e que não atrapalhou Fisichella.

O italiano se recusou a aceitar as explicações e também disse que Villeneuve não se desculpou quando os dois se encontraram cara a cara depois da classificação.

“Estou realmente decepcionado, realmente com raiva”, afirmou Fisichella. “Eu não aceito isso. Há regras e você tem que respeitá-las. Há um código entre os pilotos e é preciso respeitar o código.”

“Ele não respeitou. Há uma regra de que se você está fazendo outro piloto andar devagar, você vai perder o seu tempo”, continuou.

“Ele me atrapalhou e me tirou a possibilidade de estar entre os dez primeiros, porque, do contrário, eu estaria entre eles. Meu companheiro de time está na pole. Eu não digo que estaria na pole, mas poderia ser segundo, terceiro ou quarto.”

“Eu poderia ter a possibilidade de correr pela vitória. Agora, largando em 13 (11) eu já perdi até a possibilidade de chegar ao pódio.”

Pat Symonds, chefe de estratégia da Renault, demonstrou uma esperança de nem tudo estar perdido.

“Tendo em mente sua grande performance depois de largar do box neste circuito no ano passado, tenho certeza que podemos fazer alguma coisa para ajudá-lo a ganhar algumas posições”, disse. Fisichella chegou em sexto no ano passado.

Perguntado sobre os acontecimentos, o australiano Mark Webber sugeriu que talvez a pressão esteja começando a pegar Fisichella, cujo contrato termina no final do ano.

“Este é apenas o resultado de que ele está sentindo a pressão”, disse o piloto da Williams.

“Ele precisa que tudo dê certo e se Jacques atrapalhou o dia dele por um motivo pequeno, então essa pressão faz tudo ficar pior.”

Fonte: Reuters

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *