F1: Hamilton faz testes de olho em vaga na McLaren

O britânico Lewis Hamilton vai fazer testes para a McLaren quarta-feira e quinta-feira, determinado a mostrar à equipe de Fórmula 1 que ele seria um bom parceiro para o campeão Fernando Alonso no próximo ano.

O piloto, 21 anos, deveria ter começado os testes em Silverstone nesta terça-feira, mas não pôde devido a problemas técnicos e de umidade. A equipe disse que Hamilton deu apenas uma volta para testar sistemas e o rádio nesta manhã.

Hamilton é ligado à McLaren há mais de uma década e está próximo de tornar-se o primeiro piloto britânico negro na Fórmula 1, depois de conquistar o título da principal categoria de acesso, a GP2, em Monza, neste mês.

O chefe da equipe, Ron Dennis, disse que espera confirmar a formação da equipe antes do final da temporada e que a McLaren pretende dar a Hamilton o maior tempo possível no carro antes de tomar a decisão.

A McLaren já assinou com o espanhol Alonso, que está na Renault, mas também perdeu o finlandês Kimi Raikkonen para a Ferrari.

O espanhol Pedro de la Rosa, piloto de testes, 35 anos, que substituiu Juan Pablo Montoya, depois que o colombiano anunciou em julho que trocou a Fórmula 1 pela NASCAR, dos EUA, quer manter o posto nas corridas.

De la Rosa vai participar dos testes com Hamilton em Silverstone, mas o jovem britânico também deverá testar em Jerez, na Espanha, depois do GP do Japão, no próximo mês.

Hamilton não tem dúvidas de que está pronto para correr na Fórmula 1, mas poderá ter que continuar testando e esperar mais um ano antes de ganhar uma oportunidade.

“Fiz tudo o que preciso fazer para provar que estou pronto para pilotar um carro de Fórmula 1”, disse ele a repórteres recentemente. “Preciso fazer testes e acumular milhas”.

“Estar ao lado do melhor piloto, com toda a experiência – as coisas que posso aprender com Alonso não têm fim. Um lugar na corrida ao seu lado seria o melhor lugar para mim. Sinto que estou pronto. Correr é o que eu faço melhor, então quanto antes, melhor”, concluiu.

Fonte: Reuters

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *