F1: Rubens Barrichello ‘Sepang é um circuito que torna difícil a vida dos pneus’

Brasileiro parte para a segunda etapa da Fórmula 1 2009.

Após subir ao pódio pela 63a vez e conseguir a dobradinha histórica da Brawn GP no GP da Austrália de Fórmula 1, o brasileiro Rubens Barrichello alerta que equipes como Ferrari e Mclaren devem dar trabalho ao time capitaneado por Ross Brawn no GP da Malásia, neste domingo (5). Além disso, Barrichello fala sobre as dificuldades do circuito de Sepang e a alegria de voltar ao pódio.

1) Era visível a sua alegria no pódio na Austrália, passou um filme de todo o esforço nesses últimos quatro meses?

R: Você sabe que não. A felicidade era puramente por ter guiado um carro competitivo, apesar de bem surrado pelas pancadas que tomei e dei durante a prova, mas me levou ao pódio mais uma vez. Os quatro meses de dureza são total coisa do passado agora.

2) E o início da Brawn GP?

R: Estou orgulhoso de fazer parte desse time e todos da equipe merecem o crédito por termos um carro tão competitivo. As coisas precisam acontecer na hora certa, como, por exemplo, o motor Mercedes que veio agregar um desenho de um carro muito bem pensado e feito.

3) Agora, como você ja sabe o compartamento do BGP 001 em ritmo de corrida, o que você espera para a Malásia?

R: Seremos sempre competitivos com esse carro, mas acredito que a Ferrari, por exemplo, deva crescer muito na Malásia, bem como a Mclaren.

4) Fale um pouco das características do circuito?

R: O circuito de Sepang é de alta velocidade e com um asfalto abrasivo, o que torna difícil a vida dos pneus. O calor é excessivo e, tanto para o motor, quanto para o piloto, não é nada fácil. Agora, é uma das pistas que mais gosto pelo traçado e pela velocidade que atingimos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *