F3 Sulamericana: Tive um grande ano, diz o novo vice-campeão da categoria

Pedro Enrique termina uma difícil temporada com cinco vitórias e o vice-campeonato. Agora, vive a expectativa da continuidade de sua carreira.

Não foi o fim de semana planejado pelo piloto Pedro Enrique para encerrar a temporada 2008. Ao chegar a Interlagos, o jovem de 20 anos estava a apenas seis pontos da liderança e podia conquistar o título de campeão. Mas duas quebras mecânicas, uma na tomada de tempos para a prova do sábado e a outra na terceira volta da corrida do domingo, colocaram fim às aspirações do piloto da Cesário Fórmula. O título ficou com Nelson Merlo, da RC Bassani, principal adversário de Pedro em 2008, enquanto as duas vitórias no fim de semana foram registradas por Denis Navarro, terceiro colocado na temporada. Pedro abandonou a corrida do domingo depois do travamento do acelerador, que acabou causando sua saída da pista. No sábado, terminou em terceiro depois de sair em oitavo. O piloto da Cesário terminou o ano como vice-campeão, com um cartel de cinco vitórias, o que foi motivo de satisfação para alguém que já planeja o início de sua carreira internacional.

“Este foi um fim de semana que poderia ter sido muito melhor, mas eu já cheguei a Interlagos satisfeito com minha temporada. Então, embora quisesse muito o primeiro lugar, corri sem pressão. Eu conquistei o vice-campeonato e o primeiro lugar ficou com um piloto bem mais experiente, então sempre imaginei que aqui em Interlagos eu não tinha nada a perder, apenas a ganhar. Tentei vencer, sei que andei forte, mas não deu devido aos problemas mecânicos. A minha equipe trabalhou muito bem nesta temporada, fizemos uma parceria bem forte, e sei que se tivéssemos mais uma temporada juntos poderíamos estar um degrau acima do que fizemos em 2008, conquistando o título de campeões. Mas, como eu disse, ser vice-campeão foi uma conquista e tanto em um ano tão competitivo”, comentou Pedro Enrique.

Pedro agora vai dar continuidade às negociações com equipes dos torneios de F-3 da Inglaterra e da Europa, os principais da categoria em todo o mundo. “Se eu conseguir manter o nível de desempenho daqui para a frente, sei que minha carreira vai seguir forte e vai chamar a atenção das pessoas que podem me ajudar a realizar meu sonho, que é chegar à Fórmula 1”, resumiu o novo vice-campeão sul-americano de F-3. “Tenho 20 anos, no ano que vem vou começar minha carreira internacional, então sei que ainda tenho muito chão. Mas vou chegar à Europa sabendo que fiz o melhor aqui no Brasil. Esse é o melhor carimbo no passaporte que eu poderia ter”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *