GP2 Series: Antonio Pizzonia acredita em largada menos tumultuada em Mônaco

Mesmo com curva complicada, amazonense avalia que pilotos não arriscarão tudo neste final de semana.

Foram quatro provas disputadas e quatro largadas confusas até o momento na temporada 2007 da Fórmula GP2. Toques, fechadas, colisões e abandonos marcaram os inícios de corridas nas rodadas duplas do Bahrein e da Espanha, e agora os pilotos se preparam para o sinal de partida mais aguardado de todos, nas ruas de Monte Carlo, para a bateria única neste sábado (26/5), a partir das 11h00 (horário de Brasília). Na opinião do brasileiro Antonio Pizzonia, esta é a oportunidade ideal para que os próprios competidores possam mostrar que podem virar este jogo em favor do espetáculo. “Seria muito interessante para a GP2 se todos passassem ilesos pela primeira curva em Mônaco, pois já tivemos acidentes demais nas primeiras corridas”, destacou o piloto da Fisichella MotorSport, que corre “em casa” por ser residente neste Principado.

No balanço geral das quatro primeiras largadas do ano, foram 17 carros envolvidos em acidentes nas partidas, com nada menos que dez destes abandonando em decorrência dos danos aos carros. A pista de Sakhir (Bahrein), que tem uma grande área de escape em seu traçado moderno, teve sete carros na confusão, enquanto que na Catalunha (Espanha), com um Esse mais fechado, foram dez envolvidos.

A lógica, portanto, seria de um número ainda maior de abandonos neste próximo final de semana, já que a curva Saint Devote é uma das curvas mais fechadas em início de traçados da temporada, mas esta não é a opinião de Antonio Pizzonia, experiente piloto que já passou pela Fórmula 1 nas equipes Jaguar e Williams. “Ao contrario do que muitos imaginam, Mônaco é uma pista em que os pilotos tomam um cuidado maior na largada, e por isso eu acredito que as chances de ter um acidente grande serão reduzidas, até porque muitos já tiveram pontos perdidos por conta disto e não querem desperdiçar novamente suas corridas. Não é uma certeza de que não vá acontecer, mas acho que não será uma loucura como nas outras vezes”, opinou o piloto de 26 anos de idade.

Vale lembrar que em 2006 a largada de Mônaco teve talvez o acidente mais sério da GP2 até hoje, quando o francês Nicolas Lapierre não conseguiu escapar de um acidente com o compatriota Tristan Gommendy, machucou as costas e acabou ficando afastado por duas etapas seguidas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *