GP2 Series: Correndo em casa, Pizzonia buscará final de semana sem erros em Mônaco

Mesmo com pole-position sendo uma grande vantagem em Monte Carlo, o brasileiro também aposta em estratégia de pit-stops.

Tradicionalmente feita em duas provas, no sábado a mais longa e no domingo uma de menor distância, a Fórmula GP2 quebra o protocolo neste final de semana, em Mônaco, onde será realizada apenas uma rodada da competição, no sábado (26/5), já que as atenções no dia seguinte se voltam para a Fórmula 1. A largada, programada para as 11h00 (horário de Brasília), terá um significado especial para o brasileiro Antonio Pizzonia, que depois de quatro anos voltará a correr “em casa”, já que reside em Mônaco, mas fez sua última corrida no circuito de rua em 2003, quando pilotou a Jaguar na categoria máxima do automobilismo. ”Monte Carlo tem uma pista muito técnica, e os pontos conquistados nela são fundamentais”, destacou o amazonense.

No traçado do principado, onde Antonio disputou provas em três oportunidades, sendo duas na Fórmula 3000 e a última na Fórmula 1, o manauara considera que a experiência e a prática se tornam fatores importantes para o sucesso. “Como a quantidade de treinos é muito pequena, e em Mônaco só temos a oportunidade de treinar nos finais de semana oficiais, quem tem mais provas disputadas por aqui acaba tendo mais vantagens inicialmente, principalmente quem já correu de GP2 no ano passado”, avaliou o piloto da Fisichella MotorSport. “Espero tirar proveito dos treinos para me readaptar rápido, já que não corro aqui fazem quatro anos, mas de modo geral eu sempre me adaptei tranquilamente”, completou o representante da equipe FMSI.

Os quesitos físico e psicológico também são pontos a serem destacados pelo amazonense, que está em sua primeira temporada na Fórmula GP2. “É uma pista muito desgastante, pois exige concentração máxima o tempo todo. Um erro pode ser fatal, e o preparo ideal pode fazer a diferença”, opinou Pizzonia, que depois da prova da Espanha voltou para a Itália, onde continuou sua preparação específica no Formula Medicine, o mais conceituado centro de treinamento físico e psicológico para pilotos na Europa.

Como todo piloto que já teve a experiência de correr nas ruas do Principado de Mônaco, Antonio coloca a classificação de sexta-feira como o ponto crucial para a tentativa de um bom resultado nesta prova, mas avalia que a estratégia de pit-stops na categoria pode ajudar e muito. “O que facilita aqui em Monte Carlo é largar o máximo possível na frente. O meu objetivo será a pole-position, que é muito importante nesta etapa. Em todo caso, o pit-stop obrigatório pode entrar como uma arma estratégica para que possamos levar alguma vantagem sobre os demais, tornando-se outro fator fundamental”, concluiu Antonio Pizzonia.

Durante a pré-temporada, a categoria testou o pacote aerodinâmico especial para esta prova em uma única oportunidade, quando as 13 equipes estiveram no circuito francês de Paul Ricard, na configuração de traçado 2D-b, mais curta e travado que as demais, justamente para que as equipes pudessem desenvolver seu acerto específico para circuito de rua. O resultado não surpreendeu: as equipes iSport e Super Nova, que já venceram este ano com Timo Glock e Luca Filippi, respectivamente, dominaram a tabela de tempos naquela ocasião.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *