GP2 Series: Pneus fizeram a categoria ficar bem mais veloz, dizem pilotos

Carros estão 4,6 segundos mais rápidos do que na última apresentação da categoria no Bahrain. Pole da época ficaria em último no grid.

A Fórmula GP2 só competiu no Bahrein em 2005 quando, a exemplo do que fará neste fim de semana, realizou uma rodada dupla como preliminar do Grande Prêmio de Fórmula 1 daquele país. Na ocasião, os Dallara/Renault da categoria utilizavam pneus com sulcos e tinham a aerodinâmica menos refinada. Assim, uma evolução nos tempos era esperada. Mas a diferença é grande, como dizem os pilotos e equipes: a pole conquistada naquele ano pelo alemão Nico Rosgerg foi registrada em 1:44.643 km/h. Já nesta sexta-feira, o italiano Luca Filippi cravou 1:40.873, registrando uma marca 3,6 segundos mais veloz que a de Rosberg.

“É uma diferença mais de duas vezes superior à registrada entre o pole e o último colocado no grid de hoje”, observou o brasileiro Sérgio Jimenez, estreante na GP2. O último no grid de 2007 foi o dinamarquês Christian Bakkerud, que foi 2s460 mais lento que Filippi e 1,2 mais veloz que o Rosberg de 2005. Jimenez, que não conhecia o traçado do Bahrein, admitiu que ficou impressionado com a competitividade do grid de 2007: “Será um ano muito difícil e todos os recordes devem cair”, previu.

“Embora a aerodinâmica e outros detalhes do GP2 tenham sido alterados, são os pneus que estão fazendo a maior diferença. Os dados da minha equipe, a Racing Engineering, mostram que a aderência nas curvas é bem maior. Com isso, nós também ganhamos velocidade do início ao fim das retas, pois saímos mais embalados da curva. Foi uma grande evolução, quase como termos carros de categorias diferentes na pista”, analisa o piloto brasileiro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *