GT3 Brasil: “caixa preta” é novidade na fiscalização em 2008

A adoção de um equipamento eletrônico de gravação dos dados técnicos dos carros que participam do GT3 permitirá que a organização tenha absoluto controle sobre tudo o que acontece com os carros durante as competições.

Uma das novidades da nova competição de supercarros que se instala no país – o Brasil GT3 Championship – será a introdução de um data logger (gravador de dados) em todos os bólidos inscritos. O equipamento será uma espécie de “fiscal eletrônico”, já que colocará a disposição dos comissários técnicos uma coleção de dados que proporcionará maior clareza e controle sobre eventuais quebras de regulamento na preparação ou condução dos veículos. 


O dispositivo chama-se Nano SDL e é fabricado na Itália pela especialista Mahtechs. “A diferença fundamental do sistema que é adotado pela FIA para várias categorias é que o nosso dispositivo permitirá acesso exclusivamente por parte dos comissários técnicos da prova. Ou seja, ele é uma verdadeira ‘caixa preta’, a equipe não tem como acessar ou alterar os dados que estão gravados em sua memória”, explica Ivo Sznelwar, diretor-técnico do Brasil GT3 Championship.


Senha e equilíbrio – Ainda segundo Sznelwar, o comissário técnico só terá liberadas essas informações por intermédio de uma senha, que permitirá o download dos dados. “O equipamento serve, principalmente, para observar o equilíbrio de desempenho entre os carros”, observa o diretor da GT3. “Nós teremos em mãos aqui no Brasil os dados colhidos nos testes de equalização feitos na Europa. Com essas informações, os comissários técnicos da CBA podem até mesmo sugerir novas modificações em um ou mais modelos como, por exemplo, adicionar peso ou mudar a altura do carro com relação ao solo”, expõe Ivo Sznelwar.



O equipamento também tem a função de servir como referência ao longo de toda a temporada. Ou seja, se um determinado carro começar a apresentar comportamento fora do padrão, os comissários técnicos poderão confrontar seus dados com os de modelos similares, com carros de outras marcas ou com dados obtidos nos treinos de equalização realizados antes do início do campeonato. A conclusão poderá ser que determinado modelo ou marca está se desviando da filosofia da GT3, que é o equilíbrio de desempenho

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *