GT3 Brasil: Feldmann e Kaesemodel têm melhor aproveitamento do ano

Dupla paranaense, que estreou apenas na 4ª etapa, quer título do “2º turno”.

Desde que começaram a correr em parceria, na 4ª etapa do Campeonato Brasileiro de GT3, os paranaenses Alceu Feldmann e Lico Kaesemodel disputaram seis provas. Venceram duas e pontuaram em todas as outras, somando 45 pontos. Pela média, estariam disputando o título da categoria, que hoje está restrito às duplas formadas por Xandy Negrão/Andreas Mattheis e Walter Salles/Ricardo Rosset, que utilizam o modelo Ford GT.


A bordo do Dodge Viper #63 da Full Time Sports Alceu e Lico foram campeões de duas rodadas duplas: a 4ª, em São Paulo, e a 7º, disputada em Curitiba nos dias 15 e 16 de novembro – com uma vitória e um segundo lugar em ambas. No próximo fim de semana (29 e 30) eles voltam a Interlagos (SP) para a etapa final. “Apesar de o foco estar direcionado ao título, vamos tentar vencer de novo e fechar como a melhor dupla do ‘2º turno’”, brinca Alceu, fazendo uma analogia ao formato dos campeonatos de futebol.


Se a disputa começasse apenas na 4ª etapa, a dupla ainda estaria na briga pela taça. Na média de pontos conquistados por corrida, os líderes da tabela somaram 96 em 14 provas, ou seja, 6,8 por corrida. A outra dupla do Ford GT, que ocupa a segunda posição na tabela, fez a mesma quantidade de provas, com média de 6,2 pontos. Lico e Alceu têm, juntos, 45 pontos em seis provas, ou seja, 7,5 por corrida.


Feldmann, que correu a temporada completa, tem uma vitória a mais que Lico, já que venceu a primeira corrida do ano ao lado de Thiago Marques no Lamborghini Gallardo número 2. “Tivemos um início bom, mas o carro apresentou problemas crônicos de câmbio, que só foram resolvidos recentemente. Mesmo com o ótimo trabalho da equipe (Action Power), não conseguimos bons resultados, principalmente em virtude da fragilidade do carro”, explica Alceu, que desistiu de correr com o Lamborghini após a etapa de Brasília, em junho.


Marques permaneceu correndo com o Gallardo e Alceu migrou para o Dodge Viper da Full Time, que agora lidera o Campeonato de Equipes. “É um carro que dá menos prazer de guiar, mas é potente e dificilmente quebra”, argumenta o piloto, que disputa paralelamente o playoff da Stock Car. “Além disso, tive a sorte de ter um parceiro tão rápido quanto o Thiago”, destaca.


Kaesemodel aponta o entrosamento da dupla como um dos fatores determinantes para o sucesso. “Nos demos bem e me adaptei rapidamente ao carro. Sem dúvida estaríamos na briga se tivéssemos feito a temporada completa”, ressalta.


A dupla inicia nesta sexta, em São Paulo, os trabalhos em busca de pelo menos mais uma vitória. “Queremos fechar o ano com chave-de-ouro. Para isso, não vamos medir esforços para vencer no sábado ou no domingo e ajudar a Full Time a conquistar o título de equipes”, destaca Feldmann, que ocupa a terceira posição no Campeonato. Negrão/Mattheis lidera com 96 pontos, seguido por Salles/Rosset que somam 87.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *