GT3 Brasil: Lastro de 60kg deve roubar meio segundo da Ferrari de Ricci e Derani

Expectativa da equipe é de que maior desgaste de pneus e freio possa gerar uma diferença ainda maior no tempo de volta durante a parte final da prova.

A Ferrari F430 de Cláudio Ricci e Rafael Derani entra de Interlagos neste final de semana carregando um “passageiro” indesejável nos treinos e corridas da terceira etapa do Itaipava GT3 Brasil. Vencedora das duas primeiras rodadas da competição, a dupla da equipe CRT Brasil carregará um lastro de 60kg para se adequar ao novo regulamento da GT3.

A regra deste ano prevê o aumento no peso do conjunto carro-piloto das duplas que se destacarem nas sete primeiras corridas do ano. O objetivo é evitar que um único carro vença a maior parte das provas, mantendo a competitividade do campeonato.

A penalização, segundo cálculos prévios da própria CRT, deve roubar cerca de meio segundo por volta do desempenho das Ferrari. Para se ter uma idéia do que isso significa, a diferença entre os seis primeiros colocados no grid da segunda corrida do ano, também disputada em Interlagos, foi de 0s520.

“A Ferrari tem um bom motor, mas não o mais forte da categoria. Por isso nosso carro deve sofrer mais com essa penalização”, acredita Rafael Derani. “Além das acelerações, as freadas e contornos de curva também devem ser prejudicados, e vamos ter que encontrar um novo acerto do carro para equilibrar essa mudança na distribuição de peso. Sabendo disso, vamos apostar no equilíbrio de nossa dupla, e contar com um pouco de sorte. Fazer ultrapassagens, em especial sobre os Viper, não será fácil neste final de semana”, acrescentou.

A chuva, que começou a cair em São Paulo nesta quinta-feira e deve continuar durante o final de semana, pode ser um alento para os pilotos da CRT Brasil. Sob essas condições, a potência do motor perde importância, enquanto o equilíbrio e capacidade de tração do carro, bem como a habilidade dos pilotos, passam a ser mais valorizados.

“Se chover, a coisa pode melhorar para a gente, mas não é uma garantia porque vamos observar como nosso carro se comporta nas freadas e contornos de curva carregando mais peso”, opinou Cláudio Ricci. “Acredito que a chuva possa minimizar o desgaste de pneus e freios ao longo da corrida, e isso pode manter nosso carro mais constante durante a prova. Com a pista seca, nossas últimas voltas certamente serão bem mais críticas do que na rodada de abertura do campeonato”, encerrou o gaúcho.

Cláudio Ricci e Rafael Derani lideram a classificação geral do Itaipava GT3 Brasil com 74 pontos. Na segunda posição está Clemente Lunardi, que soma 57. Os treinos livres para a terceira rodada dupla da temporada começam às 11h desta sexta-feira. Os treinos classificatórios serão no sábado, entre 11h e 11h50. A programação do final de semana prevê a largada para a primeira corrida horas depois, às 15h20. No domingo será realizada apenas a última prova do final de semana, com largada programada para o meio dia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *