GT3 Brasil: Matias e Stumpf vencem a 1ª corrida em Curitiba

Dupla gaúcha largou da pole position, sofreu intensa pressão de Cláudio Ricci no final, mas conquistou sua primeira vitória na categoria.

A primeira vitória da jovem dupla formada por Ramon Matias e Matheus Stumpf não poderia ter sido mais sofrida. O Dodge Viper da Escuderia Occhi, que teve vida tranqüila na metade inicial da corrida, sofreu pressão intensa do Ferrari F430 de Cláudio Ricci (Rafael Derani) no final da primeira prova do final de semana no Itaipava GT3 Brasil no Autódromo Internacional de Curitiba.

Largando da pole, Ramon Matias manteve a ponta seguido por Fábio Ebrahim. Clemente Lunardi ganhou uma posição e ficou logo à frente de Rafael Derani. Nas voltas seguintes, o Ford GT de Lunardi pressionou o Viper de Ebrahim até a abertura da janela para troca de pilotos, na 17ª volta, quando segundo, terceiro e quarto colocados entraram juntos nos boxes.

Matias, que chegou a ter oito segundos de vantagem na pista, parou na volta seguinte. Os pilotos dos Dodge Viper optaram por trocar os pneus dianteiros, e na volta à pista Ricardo Rosset, que havia assumido o Ford GT no lugar de Clemente Lunardi, perdeu a terceira posição para o Ferrari F430 de Cláudio Ricci (Rafael Derani). A posição de Wagner Ebrahim logo à frente dos dois carros durou pouco: na freada após a reta, Ricci ultrapassou o Viper, e Rosset conseguiu a terceira posição no final da reta oposta.

“A briga do Ford GT com o Viper do Fábio Ebrahim deu uma certa tranqüilidade enquanto eu estava na pista. Pude abrir uma grande distância dos dois e acho que isso foi determinante para nossa vitória”
, contou Ramon Matias.

Dali em diante, o que se viu foi o Dodge Viper do líder Matheus Stumpf perder a vantagem conquistada para o ferrarista líder do campeonato. Enquanto Ricci marcava seguidamente as voltas mais rápidas da corrida, a vantagem foi diminuindo e chegou a três décimos de segundo na 32ª volta. “Foi muito complicado. O (Cláudio) Ricci é um piloto muito experiente e eu só corri de kart e fiz uma temporada de fórmula. Então é difícil segurar esses caras. Tive que me concentrar muito para não errar, porque o Ricci me forçava ao erro”, lembrou Matheus Stumpf.

O Ferrari F430 se aproximava nas curvas, mas nas saídas o motor V10 do Dodge Viper falava mais alto e conseguia se defender das investidas do Ferrari número 3. Neste mesmo giro, Ricci quase acertou o carro de Stumpf no Pinheirinho. Na última volta, no entanto, os dois pilotos que disputavam a vitória quase viram o pódio ir para o espaço. Na mesma curva do Pinheirinho, Ricci saiu mais forte, o motor do Viper falhou apontando falta de gasolina e antes que a aceleração do carro americano fosse recuperada, o Ferrari acertou sua roda traseira esquerda. No entanto, isso aconteceu a quatro curvas do final da corrida, os dois mantiveram as posições e Matheus Stumpf recebeu a bandeirada em primeiro lugar, seguido de Ricci, Ricardo Rosset, Allam Khodair e Wagner Ebrahim.

“Era complicado alcançar o Viper: mesmo que entrasse na reta praticamente debaixo do carro do Sumpf, no final da reta ele tinha três carros de vantagem”
, contou Ricci. “O Pinheirinho era o único ponto em que eu me aproximava mais e era ali que eu tinha de tentar a vitória. Fiquei estudando seu comportamento por várias voltas. No último giro entrei mais forte, mas a falta de gasolina do Viper me fez tocar sua roda traseira esquerda jogando meu carro para cima. Foi coisa de corrida, e felizmente os dois chegaram inteiros na bandeirada”, narrou.

GT Masters: Se no geral a dupla Cláudio Ricci/Rafael Derani teve de se contentar com o segundo lugar, no GT Masters (classe disputada pelas duplas que têm ao menos um piloto bronze em sua formação – à exceção dos duos bronze/platina) os ferraristas da equipe CRT ficaram com a vitória, seguidos de Marcelo Hahn/Allam Khodair e Walter Derani/Rodolpho Santos. Fernando Poeta/Duda Rosa fechou o domínio da Ferrari nas quatro primeiras posições do GT Masters.

Os Porsche 997 da WB Motorsport não disputaram a etapa inaugural do final de semana em Curitiba em virtude de problemas com o câmbio. De acordo com a equipe, o time trabalha para deixar os carros de Antonio Hermann/Ricardo Maurício e Thiago Camilo/Alceu Feldmann em condições para a disputa deste domingo (31) a partir de meio dia, com transmissão ao vivo da Record News.

Confira o resultado da terceira etapa do Itaipava GT3 Brasil:

1º) 17 – R.Matias/M.Stumpf (VI, RS/RS), 43 voltas em 1h00min17s246 (média de 158,12 km/h)
2º) 3 – R.Derani/C.Ricci (FE , SP/RS), a 4s289
3º) 12 – C.Lunardi/R.Rosset (FO , SP/SP), a 21s141
4º) 16 – M.Hahn/A.Khodair (FE , SP/SP), a 21s850
5º) 20 – W.Ebrahim/F.Ebrahim (VI , PR/PR), a 59s492
6º) 70 – W.Derani/R.Santos (FE , SP/SP), a 1 volta
7º) 18 – F.Poeta/D.Rosa (FE , SP/RS), a 1 volta

Melhor Volta: R.Derani/C.Ricci, 1min19s861 (166,56 km/h)

(Legenda: FE – Ferrari F430 / VI – Dodge Viper / FO – Ford GT/ PO – Porsche 997)

Confira os 12 melhores na classificação do Itaipava GT3 Brasil após três corridas disputadas:
1º) Rafael Derani/Cláudio Ricci (Ferrari F430), 54 pontos
2º) Clemente Lunardi (Ford GT), 50
3º) Marcelo Hahn/Allam Khodair (Ferrari F430), 36
4º) Constantino Junior (Ford GT), 35
5º) Wagner Ebrahim/Fabio Ebrahim (Dodge Viper), 32
6º) Thiago Camilo/Lico Kaesemodel (Porsche 997), 30
7º) Ramon Matias/Matheus Stumpf (Dodge Viper), 29
Walter Derani/Rodolpho Santos (Ferrari F430), 29
9º) Ricardo Maurício/Antônio Hermann (Porsche 997), 21
10º) Alceu Feldmann/Ronaldo Freitas (Porsche 997), 17
11º) Fernando Poeta/Duda Rosa (Ferrari F430), 16
12º) Ricardo Rosset (Ford GT), 15

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *