Indy Lights: Mario Romancini estreia em Indianápolis nesta sexta-feira

Preliminar das 500 Milhas mais famosas do planeta acontece dois dias antes da prova principal. Piloto brasileiro destaca as peculiaridades do circuito.

O final de semana tem clima de festa para o automobilismo norte-americano. O estado de Indiana, na região leste do país, se mobiliza para a prova mais famosa do mundo em um circuito oval: a 500 Milhas de Indianápolis. Mas o evento começa já nesta quinta-feira (21), quando os pilotos da Fórmula Indy Lights – categoria de acesso a IRL – tomam o circuito para o treino que vai definir o grid de largada da quinta etapa da temporada. A prova será realizada na sexta-feira, com uma distância total de 100 milhas.

“Sinto que essa prova é mesmo diferente das outras do calendário, e não só por ser em Indianápolis, que tem toda essa atmosfera de glamour. A pista é mesmo diferente, porque não é exatamente um oval, e sim um retângulo com quatro curvas bem diferentes entre si”
, avalia Mário Romancini, destaque brasileiro na temporada 2009 da Fórmula Indy Lights. “Nos outros ovais você pode manter uma mesma linha em toda a pista, já em Indianápolis é preciso fazer a tangência das curvas como se faz em um circuito misto. As exigências da pista requerem uma conduta diferente em relação às ultrapassagens e defesas de posição”, comenta o piloto.

Em sua temporada de estreia na categoria, Romancini mostrou rápida adaptação aos circuitos ovais, mesmo tendo dedicado toda sua carreira ao automobilismo de fórmula no Brasil e na Europa. Nos testes de pré-temporada, realizados no oval de Homestead (Miami), Mário ficou entre os dez mais rápidos; e na primeira corrida realizada nesse tipo de pista, há cerca de três semanas no Kansas, terminou no pódio com um terceiro lugar.

“A corrida no Kansas me deu confiança para os ovais. A preparação para esse tipo de pista é diferente, você convive com o fato de andar lado-a-lado por várias voltas”
, conta Romancini, que na etapa do Kansas viveu uma situação semelhante ao disputar a segunda posição da corrida. “Em uma pista como essa, não é só a pressão aerodinâmica que tem importância no acerto do carro. É preciso ficar atento a todos os detalhes: altura, amortecedores, telemetria. O acerto básico todo mundo tem, mas são nesses pontos específicos o trabalho da equipe pode fazer a diferença para ganhar a corrida”, destaca o piloto.

Outra característica das corridas em circuito oval é o grande número de intervenções do safety-car por conta de acidentes. Na última etapa da Indy Lights, por exemplo, foram cinco períodos de bandeira amarela na pista. Fatores que alteram o tempo todo as estratégias das equipes. “Claro que eu quero brigar pela vitória, principalmente depois do pódio no Kansas. Mas o grande objetivo em Indianápolis é evitar os acidentes, ficar na pista e somar mais pontos para o campeonato”, salienta Mário Romacini, oitavo colocado na tabela de classificação – que é liderada pelo norte-americano Jonathan Summerton.

O treino que define a ordem de largada da Fórmula Indy Lights será realizado às 16h (horário de Brasília) desta quinta-feira em Indianápolis.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *