IndyCar: Meira planeja terminar 500 Milhas

Aliviado, Vitor Meira promete que história da corrida será diferente em Indianápolis.

Brasileiro da A.J. Foyt Racing revela que trabalho foi direcionado ao acerto para as 500 Milhas e planeja terminar “entre oitavo e 12º”

 
As práticas classificatórias que definiram no último fim de semana o grid das 500 Milhas de Indianápolis representaram um calvário para Vitor Meira. Duas vezes segundo colocado na corrida, a mais tradicional do automobilismo mundial, o piloto brasileiro da A.J. Foyt Racing viu ameaçada sua chance de obter uma das 33 vagas na 94ª edição, que será disputada neste domingo (30). Já classificado, o brasiliense respira aliviado e fala de seus planos.

“Quando terminou o Bump Day eu disse ‘ufa, estou dentro’, foi um alívio”, revelou Meira, que vai largar em 30º. Ele via como certa a conquista de uma vaga já no Pole Day, que definiu os 24 primeiros colocados ainda no sábado (22). “Algo não aconteceu nos três últimos dias de treinos. A gente tirava downforce do carro para ganhar mais velocidade, mas a coisa não evoluía. E toda a nossa preparação nos treinos estava voltada ao acerto para a corrida”, disse.

No sábado, quando já se posicionava na fila da saída dos boxes para ir à pista tentar a vaga no grid numa sequência de quatro voltas, Meira foi chamado de volta aos boxes por A.J. Foyt, chefe da equipe. “De última hora, A.J. decidiu mudar todo o acerto dos dois carros da equipe. Mas o que ele pensou acabou não sendo tão bom. O processo natural era voltarmos ao acerto de antes, e foi o que fizemos, mas com isso não houve tempo para eu tentar a classificação”.

Com 13 pilotos disputando as últimas nove vagas no grid, Meira sabia que teria dificuldades no Bump Day de domingo (23). “Na equipe, todos estavam muito confiantes na nossa classificação. Eu era o único pessimista ali. Na verdade, não era pessimismo, mas realismo”, disse o brasileiro. “Fui bastante conservador, e a equipe também foi conservadora no acerto para a classificação. Fiz uma tentativa só e usamos o resto do dia em treinos de corrida”, detalhou.

Passadas as dificuldades dos treinos classificatórios, Meira vê um clima bem mais positivo para a corrida. “Cheguei a acreditar que a gente estaria fora das 500 Milhas, mas estamos dentro. A maioria do trabalho foi voltado para a corrida, e pagamos por isso nos treinos. Só espero a corrida nos pague essa opção”, falou o piloto de 33 anos, que terminou as 500 Milhas de Indianápolis em segundo lugar em 2005, pela Rahal-Letterman, e em 2008, pela Panther.

Meira nutre perspectivas realistas para as 200 voltas da corrida. “Se fosse para apostar algum dinheiro hoje no resultado que posso conseguir, considerando só um palpite, apostaria que termino essa corrida entre a oitava e a 12ª posição”, disse. Os pilotos voltarão à pista em Indianápolis nesta sexta-feira (28), para uma hora de treinos do Carburetion Day. “O Carb Day vai mostrar se a nossa opção vai resultar em alguma coisa boa. Acho que vai”, finalizou.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *