Kart: Felipe Ferreira tem problemas quando caminhava para um pódio

Acidente provocado por concorrente tira chances de pódio quase certo.

Ao mesmo tempo em que os campeões da tradicional 500 Milhas Granja Viana de Kart brindavam no último domingo (02/12) o sucesso na prova de gala do kartismo brasileiro, alguns concorrentes sentiam no Kartódromo Internacional Granja Viana o amargo gosto de serem alijados das comemorações que passaram tão perto. O piloto da Fórmula 3 Sul-americana Felipe Ferreira (Webmotors/CVC/Center Cargo/Alberflex/Puma) chegou a ocupar a sétima posição por muito tempo, mas um acidente com o companheiro de equipe deixou o time da Jonas Kart na 23ª colocação. “Um de nossos pilotos levou uma batida a poucas horas do final da corrida, o que acabou com nossas chances de subir no pódio”, lamentou o paulista que recebeu a bandeirada em Cotia (SP) a 14 voltas dos vencedores.

A equipe Jonas Kart decidiu iniciar a prova com Danilo Pereira, que após largar em 28° ganhou oito posições. Felipe Ferreira foi o segundo a assumir o volante e conseguiu uma recuperação impressionante. Depois de pouco mais de uma hora de prova, ele já ocupava o oitavo posto. “O kart estava muito bom, melhor do que nos anos anteriores. Se eu pudesse, guiaria pelas três horas seguidas permitidas por regulamento”, comentou o piloto da Webmotors/CVC/Center Cargo/Alberflex/Puma, que havia terminado esta prova em sétimo na edição de 2005.

Nas horas seguintes a equipe chegou a estar em sétimo lugar, mas um acidente sofrido por Caio Conde após nove horas de corrida pôs fim às chances de brigar pelas primeiras posições. “O Caio foi tocado com violência, bateu na proteção de pneus e danificou a frente do kart. Perdemos muito tempo e muitas voltas com os reparos, pois além de trocar o bico da carenagem, precisamos reconstruir um novo suporte da carenagem”, explica Jonas Filho, chefe da equipe, que ainda teve João Paulo Mauro em seu quarteto. “O pior é que voltamos para a corrida e tivemos que recolher o kart para o box novamente, para acabar de ajustar a carenagem. Tudo isto por causa de um concorrente desastrado”.

O time voltou à pista em 34° lugar, e rapidamente foi recuperando posições. Mas o empenho da equipe foi mais uma vez prejudicado. Faltando 1 hora e 25 minutos ou 63 voltas para o final, a organização decidiu encerrar a prova, por problemas no sistema de cronometragem. “Não achei justo. Ainda tinha muito tempo de prova e fomos prejudicados, pois estávamos bem e avançando. Mas foi pior ainda para quem estava na mesma volta do líder”, afirma Jonas.

Felipe Ferreira acredita que se não fosse o problema causado por uma manobra desastrada de outro concorrente, o pódio era uma realidade. Além de chegar a andar na sétima posição, muitos karts tiveram problemas mecânicos quando a corrida entrou na décima hora. “Nosso kart era resistente e estava rápido e consistente. Não tivemos nenhum probleminha mecânico. Demos muito azar”, concluiu o piloto, que agora se prepara para finalizar a temporada de Fórmula 3.

Foto: Fabio Oliveira

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *