Mil Milhas: Organização faz balanço positivo da prova

Pouco mais de 24 horas após o encerramento da histórica edição da Mil Milhas Brasil 50 Anos, o promotor e organizador Antonio Hermann fez um balanço positivo da corrida que pela primeira vez teve os carros da FIA GT no Brasil. Mais do que isso, em 2007, a mais antiga prova de automobilismo do Brasil e uma das mais tradicionais do mundo irá abrir o Campeonato Mundial da FIA GT. Em fevereiro ou março do próximo ano, os torcedores brasileiros terão a oportunidade de ver de perto todos os carros de Turismo mais badalados do mundo. Nesta edição, estiveram em Interlagos duas Ferrari, dois Saleen, uma Corvette, e o Aston Martin que guiado pelo quarteto Nelson Piquet, Nelsinho Piquet, Hélio Castro Neves e Christophe Bouchut conquistou a vitória.

“Esta corrida serviu para nos ensinar muitas coisas. Aprendemos bastante e em 2007 queremos fazer um evento melhor ainda em todos os sentidos. Todos os pilotos e equipes que vieram da Europa adoraram a corrida e prometeram voltar. Eles viraram fregueses!”, brincou Hermann.

Outro ponto importante destacado pelo organizador foi a beleza e o excelente atendimento nas áreas dos camarotes. Ali, durante cerca de 14 horas, mais de três mil pessoas desfrutaram de um tranqüilo e confortável ambiente de onde acompanharam a corrida pelas janelas envidraçadas ou pelas várias tevês de plasma distribuídas por toda a área.

“A estrutura montada foi nota 10! O ambiente foi melhor do que a da Fórmula-1. A ambientação, a alimentação em toda a área vip foi excelente mesmo. Temos de manter ou melhorar isso tudo!”, completou o organizador que ainda conseguiu tempo para pilotar um Saleen que chegou em terceiro lugar.

Antonio Hermann também elogiou toda a parte técnica. A corrida com mais de 10 horas de duração não teve uma paralisação sequer devido a acidente ou qualquer outro problema.

“O pessoal do resgate fez um bom trabalho, a sinalização funcionou direito, enfim, toda a parte técnica foi muito bem feita. A cronometragem também não apresentou problemas e a Shell, que foi a fornecedora oficial de combustíveis, também atendeu bem a todos. Isso tudo também fez os estrangeiros quererem voltar ao Brasil”.

O resultado final da corrida também agradou à organização. Nada mais natural, pois a vitória de uma equipe composta por um tricampeão mundial de F-1 (Nelson Piquet), por um campeão mundial da FIA GT (Christophe Bouchut), por um piloto duas vezes ganhador das 500 Milhas de Indianápolis (Hélio Castro Neves) e por uma grande promessa (Nelsinho Piquet) rendeu muitas páginas na mídia nacional e internacional.

“Sem dúvida que a repercussão foi muito grande em todo o mundo. Ganhamos várias páginas em respeitadas revistas de automobilismo de toda a Europa, além de termos conquistado grandes espaços aqui no Brasil. Foi a primeira vez na vida que terminei em terceiro e fiquei contente com a vitória de outra equipe!”, brincou.

Mas alguns erros aconteceram e foram assumidos pela organização da Mil Milhas Brasil 50 anos.

“A nossa falha foi no público, que não compareceu como gostaríamos. Erramos no preço dos ingressos e esse é um ponto que vamos corrigir para 2007. Outra coisa que precisamos acertar foi que vimos muita gente nos boxes. Certo que tinha infinitamente menos do que nos anos anteriores, mas ainda tinha muitas pessoas e esse foi um detalhe observado pelo pessoal da FIA”, completou Hermann.

A Mil Milhas Brasil 50 Anos tem patrocínios de Pirelli e TAM e apoio do Hospital São Luiz. A Shell é fornecedora oficial de combustíveis e a Bavaria Premium é a cerveja oficial da Mil Milhas Brasil.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *