Rally: Competidores já estão no clima do Rally dos Sertões

Algumas das equipes que já confirmaram participação no Rally dos Sertões, estão na contagem regressiva para a 16ª edição do evento, que contará com a participação de vários pilotos e navegadores estrangeiros. Os competidores sofrem para controlar a ansiedade.

Falta menos de 22 dias para o início do maior rali da América Latina, o Rally dos Sertões. A 16ª edição da competição acontece de 17 a 28 de junho, e terá 4.474 quilômetros que passará pelos estados de Goiás, Tocantins, Maranhão, Piauí, Ceará e Rio Grande do Norte. A largada acontece em Goiânia, GO, e a chegada será em Natal, RN.

O piloto Guido Salvini, o navegador Weidner Moreira e co-piloto Fernando Chwaigert contam os dias para a chegada da disputa, que promete ser a mais difícil de toda a história do evento. “É difícil controlar a ansiedade, e às vezes, acordo pensando no rali. Mas estou bem preparado psicologicamente, pois sei que será uma prova dura”, disse Guido, que tem sete participações no Sertões e possui o título de campeão em 2003, e bicampeão na categoria T4.2 em 2006 e 2007.

A grande atração do Rally dos Sertões deste ano é a participação de várias equipes européias, visto que a competição passará a integrar o calendário do Campeonato Mundial de Rally Cross-Country. “Isto é ótimo para nós brasileiros, que poderemos aprender com os estrangeiros, mas que também, com certeza, darão mais importância para a marca Sertões”, falou o chefe da equipe, Carlos Salvini.

A equipe Salvini Racing acerta os últimos detalhes do caminhão e de toda a logística do time, afinal, encarar um Rally dos Sertões não é para qualquer um. “Estamos tranqüilos, fazendo dietas adequadas e cuidando do equipamento. Em uma prova como esta, o mais importante é o ‘antes’, para que na hora H tudo ocorra dentro do previsto. Existe apenas a preocupação que o planejamento seja seguido”, declarou Carlos.

Após analisar todo o roteiro da corrida deste ano, Guido acredita que a 4ª etapa será a mais difícil, afinal serão 431 quilômetros de especial, no formato “Maratona”, ou seja, as máquinas não podem receber manutenção ao final do dia, largando para a prova seguinte da mesma forma como chegaram. E para manter o veículo inteiro sem avarias, o trio precisará de muita habilidade e maturidade para acelerar em busca do menor tempo por um trial de aproximadamente 60 quilômetros, além de passagem por serras, piçarra e travessia de rio com pedras roliças. O percurso será de alto grau técnico para piloto e navegadores.

Por este motivo, Guido diz: “Cautela. Trate-se de uma prova longa e perigosa. O mais importante é chegar e para isso, não pode haver momentos de afobação. É preciso poupar o equipamento”, finalizou. A chegada do time em Goiânia, GO, está prevista para o dia 14 de junho.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *