Stock: Antonio Pizzonia espera ter mais sorte na corrida de Brasília

Amazonense acredita que pilotos ainda não estão totalmente adaptados às mudanças esportivas no regulamento

Começar com o pé direito. É dessa forma que o amazonense Antonio Pizzonia (K-med Racing) espera iniciar as atividades para a 2ª etapa da Copa Nextel Stock Car, que será disputada neste domingo (04/05), no Autódromo Internacional Nelson Piquet, em Brasília (DF). “Mesmo tendo pontuado na abertura do campeonato, espero ter mais sorte do que tive em Interlagos e sair de Brasília entre os 10 primeiros na tabela de pontuação”, afirma o piloto que faz sua primeira temporada completa na principal categoria do automobilismo brasileiro. A corrida terá transmissão ao vivo da TV Globo, a partir das 11h.


 


O início da temporada 2008 não foi o ideal para Antonio Pizzonia, com problemas e dificuldades durante a definição do grid de largada para a corrida de São Paulo. Mas ele está disposto a começar a virar o jogo já a partir da corrida de Brasília. “Eu tive muito azar com vários problemas mecânicos num espaço bem curto de tempo. Dessa vez vou ter mais sorte e isso não vai se repetir”, conta o 15º colocado no campeonato. Ele também está confiante no desempenho do time, que subiu ao pódio neste traçado com apenas quatro curvas rápidas ligadas por quatro retas na temporada passada. “No anel externo é muito importante ter boa velocidade final de reta, e isso não deverá ser um problema para o time”, garante.


 


Esta será a segunda vez que o titular da K-med Racing compete na capital federal. No ano passado ele teve um bom desempenho, vinha em décimo e ganhando posições quando foi jogado para fora da pista. “Eu me adaptei rápido e consegui ser veloz e consistente. Com a estrutura de minha nova equipe, posso ir ainda melhor”, conta. Apesar de não ser seu traçado preferido, Pizzonia elogia o circuito. “Eu sou piloto e sempre tenho prazer em correr e disputar posições na pista. O desenho não é o que todo mundo gosta, mas para o espetáculo é legal. Sou a favor de tudo o que gere mais disputas e ultrapassagens. E é o caso desse oval”, revela.


 


Em Brasília os pilotos terão também a segunda oportunidade de trabalhar com as novas mudanças implantadas no regulamento deste ano. Para Pizzonia tudo ainda é muito novo e novas surpresas devem acontecer. “As novidades mecânicas foram mais rapidamente entendidas, porque não mudou muito o estilo de pilotagem. Mas acredito que ainda requer mais tempo para que todos se adaptem à nova classificação e ao reabastecimento”, finaliza.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *