Stock: Calor próximo dos 40 graus traz preocupação com desgaste de pneus

Equipe Petrobras-Action Power conseguiu bom ajuste do carro nos treinos livres: Luciano Burti terminou o dia com o terceiro melhor tempo desta sexta.


A expressão “Rio 40 graus” foi a metáfora mais utilizada para resumir em palavras as condições de trabalho das equipes da Stock Car nesta sexta-feira em Jacarepaguá.

 


Com a temperatura ambiente registrando 39 graus Celsius, os times tiveram que trabalhar no ajuste do carro com um foco em mente: o desgaste dos pneus, que devido ao calor excessivo pode comprometer o rendimento dos pilotos na corrida. A temperatura da pista chegou a 62 graus e, como Jacarepaguá tem um dos asfaltos mais abrasivos da temporada, o set up do carro será um verdadeiro quebra-cabeça no Rio de Janeiro.


 


“O desgaste dos pneus será muito acentuado aqui e por isso aproveitamos os treinos livres para experimentar vários tipos de acerto. O interessante é que desde o começo o carro se mostrou rápido nesta pista. Tivemos um dia bem produtivo, conseguindo melhorar o desempenho a cada saída dos boxes”, comentou Luciano Burti, o terceiro mais rápido desta sexta-feira. Ele registrou 1m19s620, atrás apenas de Ricardo Mauricio e Antonio Jorge Neto.


 


Os times hoje trabalharam principalmente no set up para o treino classificatório, que será disputado amanhã, a partir das 10h50. Como as condições da pista variam em poucos minutos no traçado carioca, a expectativa é de um treino bem movimentado logo em seu início, já que a temperatura no final da sessão pode novamente beirar os 40 graus.


 


“O terceiro melhor tempo hoje mostra que estamos no caminho certo, mas só amanhã saberemos o que será possível fazer na corrida, porque os tempos estão muito próximos e mais gente pode melhorar amanhã”, aponta Burti.


 


É o caso, por exemplo, de seu companheiro de equipe na Petrobras-Action Power, Thiago Marques (Petrobras-Cimed-Prevyne-Alpina). O paranaense fez o 16º melhor tempo pela manhã e terminou o dia como o 25º mais rápido. Mesmo não estando entre os primeiros, conservou o otimismo para a corrida.


 


“A equipe teve muito progresso hoje e meus tempos não refletem o potencial do carro para o treino classificatório. Fiquei satisfeito com o dia de hoje e certamente estaremos competitivos amanhã”, afirma Marques, também preocupado com o calor excessivo em Jacarepaguá.


 


“Tarumã e Brasília foram pistas onde os pneus foram muito exigidos, mas aqui no Rio de Janeiro a temperatura está muito alta. É bem possível que um carro consiga um bom ajuste para fazer uma volta rápida, mas para agüentar os 50 minutos de corrida terá que buscar outro acerto, porque senão não chegará ao final da prova”, explica.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *