Stock: Fontes diz que tomou ‘decisão certa que acabou dando errado’

Incidentes na última etapa da fase classificatória da Stock Car V8 em
Brasília impediram goiano de entrar no grupo que vai decidir o título.

Apesar dos contratempos que o impediram de disputar uma das 10 vagas no playoff da Copa Nextel Stock Car V8, Ruben Fontes avaliou como positiva sua participação na oitava etapa, que encerrou a fase classificatória no último domingo (23) em Brasília. O piloto goiano terminou a corrida em 16º e não pontuou, ficando fora do grupo dos 10 pilotos que, nas quatro últimas corridas do ano, vão decidir o título brasileiro da categoria.

“Eu estava largando em 17º e me propus a uma estratégia agressiva nas primeiras voltas da corrida, para ganhar as posições de que precisava. Completei a primeira volta em décimo, a segunda em oitavo e a terceira em sétimo”, resume. “Eu sabia que tinha que terminar a corrida entre os cinco primeiros colocados para pensar no playoff, adotei uma estratégia que estava dando certo, mas na quinta volta tudo mudou”, acrescenta.

A mudança na situação deveu-se a um incidente entre Fontes e o paulista Marcos Gomes. “A atitude dele foi inexplicável. Tenho certeza de que ele não teve má fé, pode ter sido erro, mas o que houve foi inexplicável. Ele deu um toque na traseira do meu carro na curva Dois, eu caí para 16º e fiquei fora da briga pelo playoff”, descreve. “O Marcos já tinha a vaga garantida e não precisava forçar. O que houve foi absurdamente inoportuno”, define.

A perda de nove posições na fase inicial da corrida obrigou Fontes a uma mudança de estratégia. “Depois da terceira volta, eu assumi uma pilotagem mais conservadora, para poupar o carro. Mesmo assim, o meu carro era um dos mais velozes da pista. Quando despenquei lá para trás, tive que começar tudo de novo, voltei a ser agressivo na minha pilotagem. Àquela altura, eu precisava no mínimo do quarto lugar para ir ao playoff”, lembra.

A tarefa de recuperar posições era dificultada pelo calor excessivo e pela alta abrasividade do asfalto do Autódromo Internacional Nelson Piquet. “A corrida foi extremamente desgastante para os pilotos e os carros. Por outro lado, de um certo modo, isso me favoreceu um pouco, porque alguns pilotos começaram a enfrentar problemas. Herdei algumas posições com isso, conquistei muitas outras fazendo ultrapassagens”, descreve.

Fontes, que compete na Stock Car V8 com o Peugeot 307 número 87 da Neo Química-Neosoro/JF Racing, estava em oitavo quando, na segunda metade da etapa brasiliense, tentou ultrapassar o paranaense Thiago Marques pela linha externa do traçado. Num toque entre os dois carros, o piloto goiano rodou, saiu da pista e perdeu todas as posições que havia reconquistado. Com isso, terminou a corrida em 16º, fora da zona de pontos.

“Eu arrisquei uma tentativa de ultrapassagem e o Thiago tocou em mim. Foi um incidente casual, ele estava defendendo a posição dele, acabou perdendo a linha ideal da curva e os carros se tocaram. Ele não teve culpa nenhuma”, frisa Fontes. “Eu até poderia ser mais conservador. Fiz uma escolha que poderia ter sido a certa e acabou não sendo. Na pista, você tem que tomar as decisões em frações de segundo”, analisa.

Entre o momento do acidente com Marques e o encerramento da corrida, outros pilotos que figuravam à frente de Fontes enfrentaram problemas. “Caso não houvesse a batida com o Thiago, é bem provável meu resultado na corrida fosse suficiente para me colocar no playoff. Agora, fazendo contas e assistindo o VT, a conclusão é esta. Mas analisar desta forma, com todo um panorama desenhado, é muito fácil apontar erros e acertos”, diz.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *