Stock: Hellmeister dá sua versão para o acidente com Marques

Piloto paulista afirma que não foi desleal na disputa por posições com o piloto da equipe Terra-Avallone, e não aceitou as críticas do adversário.

Depois de ser criticado pelo paranaense Tarso Marques por um toque ocorrido na etapa de Londrina da Copa Nextel Stock Car, realizada no último domingo no Autódromo Internacional Ayrton Senna, o paulista Alan Hellmeister decidiu dar a sua versão para o incidente que impediu o piloto paranaense de continuar na prova. Alan explicou que, ao tentar ultrapassar o adversário, teve a porta fechada em uma manobra que o fez ir para a grama, o que causou a perda de controle de seu carro e a conseqüente batida.

“Na minha visão, tivemos um toque normal de corrida”, disse Hellmeister. “Tudo começou quando me posicionei para ultrapassá-lo. O Tarso fechou a porta, o que é natural, mas com isso me jogou para a grama. Quando meu carro saiu do asfalto, perdi o controle e nós acabamos nos tocando. Não acho que a atitude dele de impedir minha ultrapassagem tenha sido desleal, da mesma forma que não acho que o toque que tivemos tenha sido”, declarou o piloto da equipe Katalogo Racing.

Hellmeister reiterou que nunca teve problemas com Tarso e seu companheiro na equipe Terra-Avallone, Felipe Maluhy, que estranhamente o criticou por uma manobra ocorrida na largada, em que os dois sequer chegaram a se tocar.

“Tenho certeza que os dois estavam de cabeça quente no domingo, e até entendo as críticas, embora não aceite nenhuma delas. Na minha visão, a principal causa desse tipo de problema é o próprio traçado de Londrina, que dificulta as ultrapassagens e aumenta a probabilidade de um toque. Meu carro estava muito bom naquele domingo e meu objetivo era chegar aos pontos, por isso busquei as ultrapassagens. Acredito que hoje tanto o Tarso quanto o Maluhy estejam com a cabeça mais fria, e tenham uma outra visão sobre o que aconteceu”, encerrou Hellmeister, que foi recentemente contratado pela equipe Katalogo Racing até o final da temporada de 2008.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *