Stock: Para Pedro Gomes, campeonato começa em Curitiba

No próximo domingo (30) será disputada a segunda etapa da Stock Car Brasil 2006, das 12 programadas para a temporada. Desta vez, a briga acontece na capital paranaense no Autódromo Internacional de Curitiba. Mesmo com as mudanças feitas pela Confederação Brasileira de Automobilismo quanto ao número de carros em cada circuito e referente às alterações nos treinos o piloto Pedro Gomes está confiante e diz que como teve problemas na primeira etapa, o campeonato (para ele) começa em Curitiba.

O piloto da equipe SAMA GomeSports tem boas recordações do circuito curitibano, já que teve bons resultados em disputas anteriores. Estas lembranças contribuem para o otimismo e confiança de realizar uma boa prova no domingo. “Em Curitiba é onde mais gosto. Prefiro aquele circuito do qualquer outro lugar, pois já venci provas, tanto na Light, foram três vezes, como na V8 quando ganhei em 2004”, comenta. “Sempre tive um acerto bom para o carro, e para esta etapa mudamos o composto do pneu e vai haver algumas outras pequenas alterações” salienta Pedro Gomes.

No caso de mau tempo, chuva e pista molhada, Pedro também não tem com que o se preocupar. Ele confia no trabalho da equipe e conta com uma estratégia especial do engenheiro Arildo. “Se chover o Arildo, tem um setup diferenciado e sempre deixa o carro redondo para pista molhada. E com o piso seco estaremos competitivos também”, avalia confiante Pedro que tem patrocínio da SAMA e apoio da LUK- FAG, INA, TRW, Hope RH, Cabovel, Luftal e Corteco.

Sobre as mudanças na quantidade de carros da categoria V8 ficou determinado que as corridas realizadas em Interlagos (SP), Curitiba (PR), Rio de Janeiro (RJ), Campo Grande (MS), Brasília (anel interno) e Santa Cruz do Sul (RS) poderão ter até 43 carros, enquanto as pistas de Londrina (PR), Brasília (anel externo) e Tarumã (RS) terão um limite máximo de 40 carros. Para Pedro as alterações nesse aspecto são favoráveis. “Acredito que o objetivo seja dar mais emoção para o público, e isso pode ser muito positivo, pois temos a expectativa de mais pessoas prestigiando o evento”, analisa.

Já referente aos treinos, Pedro Gomes demonstra pouca satisfação. “Acredito que ainda não é o ideal, vai demorar a ter uma fórmula que agrade a todos. O limite de 15 voltas só diminuiu o tempo de pista. Houve um aumento no tempo, mas as voltas cronometradas diminuíram, pois se contarmos que são três voltas, uma de abertura e a que vai para o box, só uma cronometrada caiu pela metade. Acho que no mínimo deveriam ser 20 voltas”, declara o piloto.

Apesar das modificações e do resultado pouco favorável na primeira etapa em São Paulo, Pedro Gomes está otimista para a disputa em Curitiba e afirma que vai fazer uma prova focado na recuperação de pontos. “Está tudo dentro do parâmetro, tivemos problemas na etapa de São Paulo, trocamos o motor durante os treinos e a corrida serviu para confirmar o super aquecimento. Foi mudado o posicionamento da caixa de entrada de ar, que ficou como em 2005. Pra mim agora é que vai começar o campeonato, por isso estou concentrado em recuperar os pontos”, enfatiza com confiança o piloto.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *