Stock: Petrobras-Action Power apresenta novo carro

Em uma categoria marcada pela competitividade, não basta brigar pela vitória em uma ou outra corrida. É preciso se manter no topo ao longo de vários anos para que um time se consolide como sendo de ponta.


É com este pensamento que a Petrobras-Action Power encara a temporada de 2006 da Stock Car, que terá início em abril, no circuito de Interlagos. Hoje, o time apresentou seu carro para a imprensa em um evento no Hotel Hilton, em São Paulo. Amanhã, o teste será na pista, no primeiro dia de treinos da categoria, que faz o GP de abertura da temporada no próximo domingo, em Interlagos.

“O desafio de ser competitivo na Stock Car é constante. Por isso, não é porque estivemos no topo nos últimos anos que podemos ficar acomodados. Ao contrário, intensificamos o trabalho para 2006: renovamos com a Petrobras e estamos trazendo outro patrocínio de peso, a Cimed, para garantirmos um bom orçamento. Também estamos contando com um reforço na formação da dupla de pilotos, com a chegada do Luciano Burti”, conta Paulo de Tarso, diretor-técnico da Petrobras-Action Power. Neste ano, outra novidade: o time correrá de Volkswagen Bora.

Em 2005, o time foi vitorioso no campeonato por equipes. Os pilotos Cacá Bueno e Thiago Marques somaram 220 pontos, enquanto Giuliano Losacco e Guto Negrão acumularam 194 pela Medley, a segunda colocada. Por isso, o desafio tanto para Burti quanto para Marques, que renovou contrato com o time para este ano, é justamente manter a Petrobras-Action Power brigando pelo título.

“Não queremos criar expectativas, até porque estamos com um novo carro, que fará sua estréia na categoria. Mas confio na estrutura e experiência do time para terminar a oitava etapa entre os dez primeiros na tabela, para disputar o título no playoffs”, diz Burti, citando o novo regulamento da categoria. Neste ano, a pontuação do campeonato recomeça a partir da nona etapa, onde apenas os dez primeiros poderão lutar pela taça.

O novo contratado da equipe estreou na Stock no ano passado depois de correr pela Jaguar e pela Prost na Fórmula-1 e trabalhar durante três anos como piloto de testes da Ferrari. Logo em sua primeira corrida, ele subiu ao pódio, na terceira colocação, em Interlagos. Na etapa de Buenos Aires, também voltou a ficar entre os três primeiros no mesmo dia em que venceu a tradicional prova “200 Quilômetros de Buenos Aires”.

“Quando vim para a Stock Car, já imaginava encontrar uma categoria marcada pelo alto nível técnico e pude comprovar isso nesta temporada. Por isso, fico feliz em seguir na categoria, agora buscando novos desafios, em uma das equipes mais tradicionais da Stock”, afirma o paulista.

A Petrobras-Action Power renovou o contrato do piloto Thiago Marques, que dará a continuidade necessária para o time em 2006 – esta será sua terceira temporada pela equipe, que venceu quatro corridas e fez três pole positions em 2005.

“No ano passado, consegui nove vezes ficar entre os seis primeiros do grid, e isso mostra que estamos competitivo em qualquer tipo de traçado, seja veloz, seja travado. Isso será fundamental com as novas regras da Stock, incluindo a super-classificação”, diz o paranaense, que permanece mais um ano trabalhando na Petrobras-Action Power. “Só tenho de agradecer a todos pela confiança no meu trabalho e tenho certeza de que, ao lado do Luciano Burti, vamos manter a equipe brigando pelas primeiras posições”, completou Marques, que estreou na Stock Car em 2002, depois de se sagrar campeão da Stock Car Light no ano anterior. Marques também foi convidado a fazer algumas provas nesta ano no Mundial de FIA GT, pela equipe Ferrari GPC.

Desenvolvimento tecnológico

Enquanto a prova de abertura não chega, o trabalho de pré-temporada foi intenso na Petrobras-Action Power. Embora os testes privados sejam proibidos por regulamento na Stock (a fim de garantir maior equilíbrio), é possível trabalhar no ajuste do carro sem colocá-lo na pista.

A equipe dos pilotos Thiago Marques e Luciano Burti, por exemplo, possui um dinamômetro de rolo, estrutura em sua sede que permite fazer ajustes no carro com tamanha precisão como se ele estivesse andando em algum circuito.

“Este mecanismo nos ajuda a melhorar vários aspectos do carro, desde a parte de suspensão até mesmo o funcionamento de engrenagens e de óleos a serem desenvolvidos em conjunto com a Petrobras”, explica Thiago Marques.

Usado por grandes times da F-1, este dispositivo permite testar componentes do carro sem que a necessidade de testes em pista e está em plena atividade desde dezembro, inclusive avaliando alguns dos componentes trazidos da Alemanha, onde Thiago Marques viajou no ano passado em busca de novidades técnicas.

“O dinamômetro funciona como uma espécie de esteira rolante, em que o carro é submetido às mesmas condições que enfrentaria na pista. Até o motor utilizado no teste é similar ao da Stock, já que os propulsores originais também são lacrados para impedir a realização de testes privados”, compara Marques.

Além disso, a equipe trabalha na finalização da construção de seis carros que estarão à disposição dos pilotos da Petrobras-Action Power em toda a temporada. O chassi tubular é igual para todos, mas sua montagem é exclusiva de cada equipe e é justamente neste aspecto onde residem os principais décimos de segundo de vantagem que um time melhor estruturado pode conseguir. “O carro é inteiro desmontado no final do ano e gabaritado para o início da temporada”, conta Burti.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *