Stock: Pizzonia e Gresse partem otimistas para a etapa de Curitiba

Apesar dos problemas enfrentados na abertura da temporada, em São Paulo, a dupla da Hot Car Competições mostra confiança em busca dos primeiros pontos em 2010.

O autódromo internacional de Curitiba, em Pinhas (PR), receberá neste domingo (dia 11) a 2ª etapa da temporada 2010 da Copa Caixa Stock Car. A prova acontecerá no traçado misto de 3.695 metros e os treinos terão início nesta sexta (9).
Depois da abertura do campeonato, em Interlagos (SP), há quinze dias, onde os pilotos tiveram de lidar com várias novidades e algumas situações adversas, a prova paranaense deve mostrar ainda mais equilíbrio.
Na equipe Hot Car Competições (Agecom/Bardahl), os pilotos Antonio Pizzonia e Norberto Gresse estão confiantes. A dupla enfrentou problemas nos treinos para a etapa paulista, mas mostrou boa recuperação e desempenho durante a prova. Pizzonia ganhou 18 posições e cruzou a linha de chegada em 11º (uma punição, entretando, tirou os seus pontos). Já Gresse era o décimo no momento de seu pit stop, mas um problema na retirada de um dos pneus fez com que ele perdesse muito tempo parado, terminando em 17º.
Pizzonia, que ficou em quarto na etapa de Curitiba no ano passado, está focado e determinado para marcar seus primeiros pontos na temporada. “Na 1ª etapa, tivemos uma série de dificuldades, mas que agora ficaram para trás. Temos de nos concentrar e focar na etapa de Curitiba, onde eu sempre andei bem. Além disso, gosto muito do circuito”, comentou o amazonense.
“Descobrimos alguns problemas no carro, que afetaram bastante o desempenho em São Paulo. Agora sim vamos começar o final de semana de onde deveríamos estar”, afirmou Pizzonia.
Gresse também expressa confiança e acredita que a equipe mostrou sua competitividade em São Paulo. “Independentemente do nosso problema no pit stop, fiquei muito satisfeito e vamos levar esse erro como aprendizado para as próximas provas ao longo da temporada. Foi uma 1ª etapa bem tumultuada para todo mundo. Ninguém teve oportunidade de testar muita coisa, houve muitas quebras e abandonos. Acredito que todo mundo vai vir bem mais forte já para a 2ª etapa, e nós também seremos um deles”, destacou o paulista.
“Curitiba é uma pista que gosto muito e tenho certeza que vamos brigar por bons pontos por lá”, afirmou o piloto, que na Stock Light, onde foi campeão em 2007, conquistou alguns pódios no circuito paranaense.
O chefe da equipe, Amadeu Rodrigues, também fez sua análise da 1ª etapa e falou sobre a expectativa para esse fim de semana.
“De uma certa forma, a 1ª etapa foi positiva, mas enfrentamos uma série de problemas técnicos, no pit stop e também tivemos um problema gravíssimo com os amortecedores, que só descobrimos na corrida”, lembrou o chefe da equipe. “Como de praxe, desmontados os carros após a prova, sanamos todos os problemas que detectamos e também investimos na compra de uma válvula reguladora de pressão da Paoli, que é a melhor marca do mundo em equipamentos de ar comprimido. Se tivéssemos algo assim, teríamos conseguido soltar a porca que ficou enroscada no pit stop do Betinho e acabou com suas chances em Interlagos”, contou Rodrigues.
“Acredito que vamos andar bem em Curitiba, pois sempre tive um bom acerto lá, especialmente no misto. Nossos motores foram revisados, está tudo certo e a expectativa é muito boa. Acredito que o Betinho e o Antonio vão largar melhor e terão a chance de conseguir bons resultados”, completou.
Ribeirão Preto – Os pilotos da equipe Hot Car também comentaram sobre a escolha de Ribeirão Preto, no interior de São Paulo, como sede da 5ª etapa da temporada, marcada para o dia 6 de junho. A prova será disputada pela primeira vez na cidade e acontecerá em um circuito de rua.
“Assim como aconteceu com Salvador, no ano passado, a Stock abre uma nova porta e acho que isso é muito legal para o calendário, para a categoria e principalmente para o público da cidade, pois será uma grande novidade. Tenho certeza de que vai ser um sucesso”, declarou Pizzonia.
“Eu acho muito bacana. Circuito de rua tem muito apelo e Salvador foi prova disso. Tivemos muita receptividade e chegar a uma cidade onde não há corridas é fundamental para uma categoria como a Stock Car”, finalizou Gresse.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *