Stock: Pizzonia larga na quarta fila na abertura do campeonato em Interlagos

Com chuva, amazonense chegou a ser o segundo mais rápido na definição do grid.

Mesmo sendo o piloto que menos andou em todo o fim de semana, o amazonense Antonio Pizzonia (Amir Nasr Racing) garantiu neste sábado (28/03) um lugar na quarta fila para a corrida de abertura da temporada 2009 da Copa Nextel Stock Car, a principal categoria do automobilismo brasileiro. “Pelo tanto que andamos no fim de semana, largar em sétimo lugar está bom demais”, revela o experiente piloto com passagens pela Fórmula 1, Champ Car e Superleague. A pole ficou com o paulista Paulo Salustiano (Vogel Motorsport). A corrida acontece neste domingo (29/03), a partir das 11h, no Autódromo de Interlagos, zona sul de São Paulo.

Pouco antes de começar o treino classificatório, uma forte chuva caiu sobre a região do autódromo e os pilotos puderam fazer 10 minutos de reconhecimento de pista, já que era a primeira vez que iriam enfrentar o circuito nesta condição. Neste pequeno treino, Pizzonia já cravou a segunda colocação. Na parte inicial da classificação, o piloto de Manaus colocou o seu Peugeot 307 na mesma posição. “Sinceramente, eu não esperava ir tão bem. Mas o carro correspondeu muito bem e consegui virar tempos bastante competitivos”, conta.

Na segunda fase da classificação, com os 16 carros mais rápidos, o titular da Amir Nasr Racing ficou na sétima colocação. O esportista foi atrapalhado em sua melhor volta. “Ainda temos alguns pequenos probleminhas com os freios, que estão esquentando muito, e motor que ainda está falhando um pouco”, explica o amazonense. “Quando o carro funcionar bem, sem problemas, estaremos rápidos no seco e no molhado”, afirma o chefe da equipe brasiliense Amir Nasr.

Para a prova de amanhã, a prioridade do amazonense é justamente ter o carro com toda a sua funcionalidade. “Independente de qualquer coisa temos que pensar primeiro em solucionar esses probleminhas. Quando resolvermos, vamos estar bem”, afirma. Mas se chover durante a prova, o cenário pode se tornar favorável ao piloto. “Correr na chuva é sempre complicado. Mas além de eu sempre ter gostado de pilotar nessas condições, foi com pista molhada que eu andei a mesma quantidade de voltas que os demais pilotos. No seco ainda não sei como vai ser”, finaliza o “Jungle Boy”, como ficou conhecido no automobilismo internacional.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *