Stock: Pontos para Hoover em dia difícil para a Red Bull Racing em Interlagos

Tão alegres que viemos e tão tristes voltaremos: as esperanças da Red Bull Racing de voltar ao pódio na quarta etapa da Copa Nextel Stock Car em 2007, a segunda em Interlagos, foram dissolvidas na 11ª volta, com a quebra do diferencial no Volkswagen Bora #29 de Daniel Serra. O consolo do dia foi o retorno de Hoover Orsi aos pontos, graças a um nono lugar.

Mesmo Hoover, contudo, não escondeu a decepção com o resultado em São Paulo. Décimo-sexto no grid devido à falta de sorte na classificação (uma chuva repentina caiu justamente na volta rápida do sul-mato-grossense no sábado) o piloto do VW Bora #12 esperava brigar por uma posição mais próxima da ponta – tarefa quase impossível devido às longas retas de Interlagos, que mais uma vez expuseram a desvantagem dos Boras em relação, principalmente, aos Chevrolet Astra e Mitsubishi Lancer. Após a padronização das entradas de ar para o motor, introduzidas nesta temporada através do “airbox”, o desenho mais inclinado do capô dos Astra e Lancer tende a aumentar o fluxo de ar para o motor nos carros das duas marcas.

“Eu esperava mais”, confessou Hoover, melhor Bora da prova. “Mesmo largando lá atrás, o desejo era conseguirmos chegar em sexto ou sétimo. Infelizmente, a diferença das entradas de ar para os motores está brutal. No meu caso, eu perdia cerca de meio segundo na reta dos boxes e mais uns três décimos na reta oposta, só de motor.

“Na minha disputa com o Ricardo Maurício, saímos juntos da Curva do Café, usei o nitro e mesmo assim ele chegou na freada do S do Senna uns 20 metros na minha frente. Por mais que tentássemos compensar essa desvantagem com um bom acerto no miolo, a diferença é simplesmente muito grande. Fora o Tarso Marques, o Allan Hellmeister e o Juliano Moro, que tinham problemas, só consegui fazer ultrapassagens na largada”.

A situação de Serrinha não foi diferente. Após manter a quarta posição no grid na largada, e acompanhar os ponteiros Antônio Jorge Neto, Thiago Camilo e Cacá Bueno na primeira volta, o piloto do Bora #29 gradualmente sucumbiu aos ataques de Marcos Gomes, na volta 2, e Ingo Hoffmann, na sexta volta. Serrinha manteve o sexto lugar até a volta 11, quando uma quebra de diferencial o eliminou da prova.

“Logo nas primeiras voltas ficou claro que, pela diferença de motor, eu não teria como acompanhar o ritmo dos três primeiros”, explicou. “Já estava quase conformado em correr por pontos mais uma vez quando aconteceu a quebra. É muito decepcionante. Precisamos ‘acordar’ no campeonato para não correr o risco de ficar de fora dos play-offs”.

Com os mesmos 37 pontos, Serrinha caiu da vice-liderança para o quinto posto na tabela de classificação, liderada por Thiago Camilo (Texaco Vogel), que terminou a prova de hoje na quinta posição, atrás do vencedor Jorge Neto e de Cacá, Marcos Gomes e Ingo. Camilo agora soma 52. Os sete pontos conquistados com o nono lugar levantaram Hoover de 14º para 13º no campeonato, com 21, a apenas quatro da décima posição, última vaga para o play-off.

“É claro que o resultado não foi o que esperávamos”, admitiu Amir Nasr, chefe de equipe da Red Bull Racing. “A grande reclamação dos nossos pilotos, que vem desde a primeira etapa, continua sendo o motor. Esperamos poder conversar com a organização da categoria e finalmente resolver esse problema. Não estamos pedindo nada além de igualdade entre todos os carros. Aqui, fomos um ‘corpo estranho’ entre os 10 primeiros, atrás de quatro Chevrolet e quatro Mitsubishi…”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *