Stock: Zonta dá melhor resultado do ano ao Corinthians

Ex-piloto de F-1 sobrevive ao caos em Curitiba e termina prova na quinta colocação; Jorge Neto tem vidro embaçado e ambos reprovaram a continuidade da corrida

Uma corrida caótica e, desta forma, sensacional em Curitiba marcou o encerramento da temporada 2010 da Copa Caixa Stock Car, que viu Ricardo Zonta dar ao RZ Corinthians Motorsport seu melhor resultado neste ano. O paranaense, que abdicou da decisão do Mundial de FIA GT, na Argentina, para correr em sua terra natal, não decepcionou a torcida que marcou presença em peso, mesmo em meio ao temporal que desabou na capital paranaense logo na quarta volta da prova.

Largando na quinta posição, após uma classificação feita com problemas no carro, o ex-piloto das equipes McLaren, BAR, Jordan, Toyota e Renault na F-1 lutou até os últimos minutos em condições totalmente adversas, terminando os 50 minutos de prova em um bravo quinto lugar.

“Foi difícil, mas valeu tivemos um bom resultado e encerrar o ano chegando entre os cinco primeiros em uma corrida onde 50% do grid ficou pelo caminho é positivo. Nossa estratégia foi ficar na pista com pneu slick (seco) até que realmente a chuva se confirmasse, mas em meia volta choveu torrencialmente e tivemos que buscar minuto a minuto para que a estratégia desse certa”, revelou Zonta.

O piloto e dono de equipe fez valer de toda sua experiência obtida em categorias prestigiadas como F-1, F-3, F-3000 e FIA GT, não se envolvendo em nenhum dos inúmeros toques e acidentes que vitimaram boa parte dos concorrentes. “Foi uma corrida arriscada, onde a direção de prova devia ter avaliado melhor e terminado antes, pois estava impraticável. Nas últimas sete voltas não dava para enxergar nem a pista”, conta.

Para o vice-campeão de 2006, Antonio Jorge Neto, a chuva provocou um grave problema: embaçou o vidro de seu carro e atrapalhou toda sua pilotagem. “No meio da corrida, estava em uma posição muito legal. Fiz uma largada muito boa e cheguei a ficar em nono, mas o carro embaçou de um jeito que eu tive que entrar no box, o que prejudicou um melhor resultado. A direção de prova deveria ter parado a corrida antes. Depois da entrada do safety car nas últimas voltas, acredito que era mais seguro acabar a corrida ali. A relargada colocou todo mundo em risco”, encerrou.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *