Super GT: Brasileiro João Paulo de Oliveira espera voltar a andar bem em Autopolis

Equilíbrio é a principal característica da temporada 2008 da categoria japonesa.

O autódromo de Autopolis recebe neste fim de semana (17-19/10) a oitava e penúltima etapa do Campeonato Japonês de Super GT, principal certame de carros Gran Turismo do Oriente. A marca característica da temporada 2008 é o equilíbrio. Faltando duas provas para o fim do campeonato, os cinco primeiros colocados estão separados por apenas sete pontos de diferença.


 


Uma prova da competitividade alta da categoria é que a Nissan, que conquistou cinco vitórias nas sete primeiras corridas, aparece apenas na terceira colocação do campeonato de pilotos. Vale lembrar que apenas a dupla Benoit Treluyer (FRA)/Satoshi Motoyama (JAP), que ocupa a quarta colocação no certame, venceu mais de uma vez este ano. O motivo de tamanho equilíbrio é o regulamento que penaliza os bons desempenhos com lastro – aqui no Brasil conhecido como ‘Troféu Bigorna’ -, que vai sendo retirado do carro aos poucos, de acordo com os resultados abaixo da sexta colocação.


 


O brasileiro João Paulo de Oliveira está confiante em se recuperar dos últimos resultados desfavoráveis e quer apresentar um bom desempenho nesta prova. Um dos motivos de sua boa expectativa é que o seu Nissan GT-R perdeu mais alguns kg de lastro, que vinha carregando desde sua vitória na quarta etapa da temporada, disputada na Malásia. “Vencemos uma corrida e depois tivemos alguns resultados não muito positivos. Agora nosso carro está mais leve, aliviamos um pouco do peso extra que havíamos ganhado pelos bons resultados que conquistamos anteriormente”, conta.


 


Além do peso por bom desempenho, de início todos os GT-R são ‘penalizados’ pela organização com um lastro de 80 kg. “Esse lastro realmente dificulta e muito as coisas. Após nossa vitória em Sepang o carro chegou a ter 130kg de peso extra, quando normalmente deveríamos ter apenas 50kg. Isso faz com que os Nissan não sejam tão constantes”, explica João Paulo.


 


O brasileiro tem um bom retrospecto em Autopolis. No ano passado, após largar em 14º, ele vinha fazendo uma excelente corrida de recuperação e ocupava a quinta colocação, quando abandonou em virtude de um acidente envolvendo dois carros que vinham em sua frente. “Tenho confiança de que podemos garantir um bom resultado. Nosso objetivo será um quinto lugar, que nos daria bons pontos e não aumentaria nosso peso do carro para a última corrida da temporada”, conclui JP, como ele é conhecido no Oriente.


 


Veja como está a o campeonato da Super GT após sete etapas:


 


1º) Ryo Michigani (JAP)/Takashi Kogure (JAP), Honda NSX (B), 56 pontos;


2º) Andre Lotterer (ALE)/Juichi Wakisaka (JAP), Toyota SC430 (B), 56;


3º) Michael Krumm (ALE)/Masataka Yanagida (JAP), Nissan GT-R (B), 51;


4º) Benoit Treluyer (FRA)/Satoshi Motoyama (JAP), Nissan GT-R (B), 50;


5°) Richard Lyons (IRL)/Yuji Tachikawa (JAP), Toyota SC430 (B), 49;


6º) Sebastien Phillipe (FRA)/Tsugio Matsuda (JAP), Nissan GT-R (B), 40;


7º) Yuji Ide (JAP)/Shinya Hosokawa (JAP), Honda NSX (B), 39;


8º) Peter Dumbreck (ESC)/Tatsuya Kataoka (JAP), Toyota SC430 (B), 39;


9º) Ralph Firman (IRL)/Takuya Izawa (JAP), Honda NSX (B), 36;


10º) João Paulo de Oliveira (BRA)/Seiji Ara (JAP), Nissan GT-R (Y), 34;


10º) Ronnie Quintarelli (ITA)/Naoki Yokomizo (JAP), Nissan GT-R (B), 34.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *