Truck: Ford Racing Trucks animada para brigar pela ponta

O sorocabano Djalma Fogaça, piloto e chefe de equipe da DF Motorsport/Ford Racing Trucks, está em Cascavel (PR) com um único propósito: brigar pela vitória na sexta etapa do Campeonato Brasileiro de Fórmula Truck, que será disputada a partir das 14 horas deste domingo (17/9), com transmissão ao vivo pela TV Bandeirantes.


“Sei que o circuito é totalmente favorável aos caminhões de 12 litros, mas venci aqui em 2003, o Beto Monteiro foi segundo no ano seguinte, na última corrida realizada em Cascavel. Sei que o Ford Cargo vai mostrar o seu valor novamente”, acredita o “Caipira Voador”.

 


Com os caminhões de nove litros de Djalma Fogaça, do pernambucano Beto Monteiro e do catarinense Luis Zappelini com nova preparação de motor, feita pela ABF Competições, do santista Aurélio Batista Félix, a equipe oficial Ford está muito animada em conquistar agora um resultado alentador. Depois de passar por uma fase em que o Ford Cargo era sistematicamente rápido nos treinos, mas por uma série de fatores não conseguia somar muito pontos ao final das provas, Fogaça acredita que chegou a hora de vencer. “A motivação em eu ganhar corrida ainda não terminou, mas há muito tempo estou mais preocupado com a equipe do que com o meu lado. Por isso, se o Beto ou o Zappelini vencerem, a festa vai ser maior ainda”, anuncia.


 


Toda a animação de Djalma Fogaça e a DF Motorsport/Ford Racing Trucks vem inicialmente do apoio dado pelo organizador Aurélio Félix. “Acho que o trabalho do Aurélio vai nos dar um impulso muito grande. Não tenho mais o orgulho que tinha de fazer tudo sozinho e da forma que só eu achava que seria o correto. Agora estou contando com a experiência, capacidade e estrutura dele para voltar a vencer”, agradece.


 


Pioneiro e desbravador em todas as categorias por onde passou Djalma Fogaça sempre acreditou na sua percepção, que nem sempre foi unanimidade. “Eu sempre fui contra a maré, usando o que ninguém usava, e mesmo assim acabei fazendo história em todas as categorias”, conta o piloto, que na Fórmula Truck fez pole position com Volvo, quando só dava Scania, foi o primeiro a correr de Ford, quando ninguém acreditava no potencial da marca. “Fui o primeiro a usar freio a disco, fui o primeiro a usar amortecedor importado, e hoje todos usam isto na Truck”, continuou. “Sempre fui um pesquisador, um inovador. Poderia ter sido campeão em todas as categorias em que passei com mais antecedência, se eu não tivesse ido para o diferente. Se isso foi bom ou ruim, eu não tenho certeza. Mas agora eu vou partir para o igual, e tentar me destacar pelos detalhes”, anuncia o experiente piloto e chefe de equipe, ao justificar a mudança da turbina dos caminhões de sua equipe – a única do grid que usava outra marca – para a BorgWarner.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *