Truck: Superaquecimento dos freios tira Ramires da disputa pela vitória

Piloto da Ramires Rodobens Truck Team conquista segunda pole e tem corrida comprometida por pane no sistema de refrigeração.

Vinicius Ramires viveu um fim de semana de altos e baixos na terceira etapa do Campeonato Brasileiro de Fórmula Truck. Sua participação na corrida do último domingo (20) no Autódromo Municipal José Carlos Pace, em Interlagos, São Paulo, foi marcada pela conquista da pole-position, a segunda de sua carreira na categoria. Contudo, depois de uma série de contratempos, terminou a corrida na 15ª posição, fora da zona de pontuação.

O começo da corrida foi promissor para Ramires. Largando da pole, ele manteve a liderança e abriu vantagem em relação a Roberval Andrade, o segundo no grid. Na segunda volta, contudo, perdeu a liderança para o piloto da Scania. Na seqüência, em menos de duas voltas, foi superado por Jonatas Borlenghi, Felipe Giaffone e Renato Martins. A visível perda de rendimento de seu caminhão fazia o abandono parecer questão de tempo.

O problema, na verdade, estava no sistema de refrigeração dos freios do Mercedes-Benz número 80, decorado nas logomarcas das Empresas Rodobens, Renov/Remanufatura Mercedes-Benz e ZF do Brasil. A pane, verificada logo na segunda da corrida, gerou superaquecimento dos freios. “Eu tive que readequar a pilotagem, comecei a tirar o pé do acelerador no meio da reta, frear antes, mudar o traçado”, revelou o piloto paulista.

Ramires reconhece que seria inútil defender posições sob tal condição. “Se fosse tentar segurar quem vinha atrás, eu atrapalharia os outros e, além disso, não conseguiria levar o caminhão até o final da corrida”, ponderou. Algumas voltas mais tarde, o problema se agravou. “O calor dos freios aumentou a temperatura dos pneus, o caminhão saía de frente. Quando a temperatura estabilizou, estava num nível muito alto. Foi difícil”, definiu.

Mesmo longe da condição ideal de competitividade, Ramires manteve-se no primeiro pelotão. Na última relargada, a três voltas do fim da corrida, era sexto. Perdeu duas posições, recuperou uma e tentava voltar à sexta posição, quando levou um toque na traseira, na abertura da penúltima volta, rodou no S do Senna e caiu para o fim do pelotão. Conseguiu voltar à pista e recebeu a bandeirada final em 15º, a 24s248 do vencedor Giaffone.

“Não era o que a gente imaginava, mas nem tudo foram problemas. Fazer a pole na corrida mais importante do campeonato foi o ponto alto do nosso fim de semana, sem dúvidas. Além disso, marquei os primeiros pontos no ano, graças à pole e o quinto lugar no momento da bandeira amarela programada”, avaliou. “O caminhão esteve muito competitivo em Interlagos. Agora, temos que testar para solucionar o problema com os freios”, definiu.

Foto: Orlei Silva

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *